Apesar de todas as evoluções da medicina e da odontologia, ainda existe um bom número de pessoas que têm trauma ou medo de ir ao dentista. Esse mito de que uma simples visita ao consultório é relacionada com dor é coisa do passado, mas, ainda assim, muitos alimentam essa imagem errada em suas mentes.

Na atualidade, existe uma série de produtos odontológicos focados em minimizar eventuais desconfortos que o paciente possa sentir ao se sentar em uma cadeira de dentista. Nem mesmo um aparelho odontológico, que há muito era visto como uma peça de tortura é desculpa para que você fuja das consultas!

Neste artigo, listamos algumas razões para você vencer esse medo injustificável de ir ao dentista, mantendo os cuidados necessários com a sua saúde bucal. Você verá que tudo é mais simples do que parece e que aquela imagem que se fazia dos dentistas no passado já não existe mais.

1 – Entenda o seu medo

O primeiro ponto a ser observado é simples: por que você tem medo de ir ao dentista? É preciso pensar racionalmente sobre isso. É grande o número de pessoas que afirmam ter medo de ir ao dentista sem nunca terem ido. Isso acontece porque muitos deixam se levar pelo imaginário popular, que ainda transmite uma ideia de tempos remotos, quando a odontologia era mais rudimentar.

Hoje em dia, não há o que temer. O ideal, antes de qualquer coisa, é conversar com o dentista e expor para ele a sua insegurança com relação a eventuais dores. Os profissionais de odontologia estão plenamente capacitados para proceder com os tratamentos necessários da forma mais agradável possível.

2 – Converse abertamente com o dentista

Caso você tenha algum medo específico, anote em um papel as razões pelas quais você se sente desconfortável no consultório e converse com o profissional. Pode ser, por exemplo, que suas más recordações estejam associadas ao trabalho específico de um profissional e não à técnica utilizada em um determinado tratamento.

Lembre-se também que a odontologia evoluiu muito nos últimos anos, de forma que muitos produtos odontológicos utilizados atualmente não são os mesmos de cinco ou dez anos atrás. Por isso, pode ser que todas as questões que você temia já tenham sido resolvidas. Ou, ainda melhor: talvez o tratamento que tanto coloca medo em você nem seja necessário.

3 – Peça para o dentista descrever os procedimentos

Depois de passar a fase da primeira consulta, chega a hora de começar o tratamento. Nesse momento, é ideal que você tenha uma boa sinergia com o profissional que o está atendendo. Peça que ele descreva um a um os procedimentos enquanto estiver conduzindo o tratamento. O fato de você entender os porquês de cada gesto certamente o deixará mais confortável e tranquilo.

Ao sentir algum tipo de dor ou desconforto, informe imediatamente ao dentista, de forma que ele possa fazer uma pausa ou, se possível, tomar ainda mais cuidado durante os procedimentos. Entretanto, lembre-se que mesmo que exista algum tipo de dor, ela é passageira e o resultado final certamente vai acabar compensando.

4 – Use técnicas de relaxamento

Sabendo que algumas pessoas ficam um pouco tensas durante o tratamento, muitos dentistas sugerem o uso de óxido nitroso, sedativos ou medicamentos para controlar a ansiedade, como o alprazolam, por exemplo. Entretanto, antes de tomar qualquer remédio, converse com o seu dentista e verifique se há a necessidade.

Caso a decisão seja por tomar algum desses medicamentos, informe ao seu dentista o seu histórico de saúde, como os medicamentos que você já toma e as alergias ou doenças que possui. De todas as formas, certamente, na hora do tratamento, as chances de que você sinta algum tipo de dor são cada vez menores e não há com o que se preocupar.

5 – Use elementos de distração

Se nada disso fizer com que você se sinta confortável diante de um aparelho odontológico, outra sugestão é buscar formas de entretenimento durante o tratamento. Alguns consultórios oferecem fones de ouvido com músicas relaxantes ou até mesmo tablets com filmes e séries para que você possa se manter entretido enquanto o profissional faz o trabalho necessário.

Essas técnicas visam deixar o ambiente mais descontraído e eliminar as possíveis tensões existentes, fazendo com que você relaxe e “esqueça” que está em um ambiente médico-hospitalar. Esses elementos funcionam muito bem com crianças e com a maioria dos adultos, portanto vale a tentativa.

6 – Aumente a frequência de visitas ao dentista e comemore bons resultados

Quanto maior for a frequência com que você vai ao dentista, menores são as chances de que algum problema mais grave aconteça, o que facilita consideravelmente o tratamento. Em outras palavras, aqueles que são mais cuidadosos com a sua higiene bucal “sofrem” menos nas mãos dos profissionais.

Se o medo de frequentar um consultório de dentista é algo que o persegue, permita-se uma recompensa cada vez que você superar uma nova etapa. Você pode comprar para si, por exemplo, um livro ou DVD, um presente que faça algum sentido para você cada vez que sair de uma consulta sem dores ou desconforto. Isso ajuda o seu cérebro a associar a ida ao dentista com sensações agradáveis, o que certamente vai diminuir os seus bloqueios psicológicos com relação ao tema.

*Assessoria.