Um de nossos leitores nos enviou como sugestão de pauta a seguinte pergunta: “por que as pessoas traem?”. Pois nós aqui do Mega Curioso, partindo do princípio de que a maioria das pessoas prefere não causar o sofrimento alheio, tentamos averiguar o motivo de tanta gente ser infiel mesmo assim — sabendo que pode magoar profundamente o outro. E sabe o que nós descobrimos? Que a questão da infidelidade é bem mais complexa do que parece.

A Ciência tenta explicar

A traição já foi tema de inúmeros estudos científicos, e vários deles apontaram que existem certos aspectos primários que parecem tornar as pessoas mais propensas a serem infiéis. Um desses aspectos seria o gênero, já que os homens — por produzirem mais testosterona do que as mulheres — têm maior desejo sexual, o que, por sua vez, os torna mais inclinados a trair suas parceiras.

Além disso, algumas pesquisas revelaram, por exemplo, que existe a possibilidade de que determinadas variações genéticas tornem alguns indivíduos mais — ou menos — inclinados a serem infiéis com seus companheiros. Quanto às mulheres, há cientistas que acreditam que em muitos casos as “traidoras” são descendentes de pais mulherengos e herdaram esse comportamento de seus progenitores.

Uma pesquisa apontou ainda que determinadas pessoas — normalmente mais homens do que mulheres — traem pela necessidade de sentir que estão no controle, o faz com que elas se sintam poderosas.

Evolutivamente falando

De acordo com a teoria evolutiva, a propensão de os homens serem mais promíscuos teria sido fortemente influenciada pela necessidade de espalhar as suas “sementes”. As mulheres, por outro lado, seriam motivadas pela busca de parceiros com qualidades genéticas que pudessem garantir uma prole saudável.

Mas não pense que as nossas ancestrais não tinham mais de um parceiro também! A diferença é que elas os buscavam no intuito de criar uma espécie de “plano b” — ou seja, para que elas tivessem um substituto que pudesse fornecer comida, abrigo e proteção no caso de que os seus companheiros morressem.

Além disso, as mulheres que tinham mais de um parceiro tinham acesso a mais recursos — como alimentos e outras provisões — e talvez até gerassem mais filhos, criando uma maior variação genética em sua linhagem. Você percebe aqui a diferença nas motivações que levavam os nossos antepassados a serem promíscuos?

Mais explicações

De acordo com uma série de levantamentos, pessoas com orientações políticas mais conservadoras ou muito religiosas são menos propensas a serem infiéis, justamente por terem valores mais rígidos. Além disso, a personalidade exerce uma forte influência na hora da traição, já que indivíduos menos escrupulosos ou com determinados perfis costumam ser menos fiéis.

Pode acontecer também de uma pessoa não ser especialmente inclinada a trair e até estar superfeliz com seu relacionamento. No entanto, novos fatores podem surgir em sua vida, tornando-a mais vulnerável a cair na tentação. Algumas situações podem ser mais tentadoras do que outras, como o tipo e o ambiente de trabalho, por exemplo.

Nesse sentido, locais de trabalho com homens ou mulheres demais podem ser um fator de risco, assim como atividades que envolvam tocar outras pessoas, passar muito tempo a sós com alguém ou, ainda, que incluam a necessidade de conversas muito pessoais.

Ademais, quando o assunto é “pular a cerca”, pessoas que vivem em regiões urbanas costumam ser mais liberais do que aquelas de áreas rurais ou cidades pequenas. As grandes metrópoles, por serem muito mais populosas, também proporcionam um ambiente de maior anonimato, além de oferecer uma maior variedade de parceiros em potencial para possíveis aventuras amorosas.

Problemas no próprio relacionamento também podem levar à traição, e a falta de compatibilidade — seja em termos de personalidade, nível de educação e insatisfação, por exemplo — entre os parceiros é um fator muito importante, já que pode provocar conflitos que levam à infidelidade. Entretanto, apesar da influência genética e social, a verdade é que a traição é uma questão de escolha.

Motivações

De acordo com diversos especialistas, algumas das principais razões que levam homens e mulheres a trair são o tédio, a solidão, a vingança, a excitação que a situação desperta, a busca de liberdade e intensidade sexual — entre outras tantas. Contudo, as motivações que conduzem homens e mulheres à infidelidade são bem diferentes.

Quando o assunto são as emoções, os homens e as mulheres “funcionam” de forma bem distinta. Eles, quando traem suas companheiras, normalmente estão em busca de sexo e atenção, e não de um relacionamento afetivo. Os rapazes também tendem a pensar menos a respeito da situação e conseguem sair dela com mais facilidade. Sem falar que eles se arriscam mais e se preocupam menos com a possibilidade de serem descobertos.

As mulheres, em contrapartida, geralmente avaliam mais a situação e traem na tentativa de preencher lacunas emocionais. Sendo assim, elas muitas vezes criam laços afetivos com seus amantes e, além de pensarem mais antes de decidir ter um caso, as mulheres conseguem identificar o perigo de perderem seus companheiros se forem pegas.

Ainda sobre as motivações das mulheres, segundo os especialistas, muitas vezes elas são infiéis durante períodos de transição, quando desejam sair de um relacionamento ruim. As traições também acontecem com frequência em momentos de grande vulnerabilidade ou mudanças importantes — como a perda de alguém querido ou o surgimento de alguma doença grave na família, por exemplo.

E por que ela é tão dolorosa?

*Você pode ativar as legendas em português no menu do vídeo.

De acordo com Esther Perel — que apresentou a inspiradora palestra que você pode assistir acima (recomendamos fortemente que você assista!) —, o conceito de monogamia, assim como o de felicidade e o que os relacionamentos representam — bem como o que esperamos deles —, mudaram bastante ao longo da História.

Hoje em dia, quando buscamos um parceiro, nós não queremos um simples companheiro. Nós esperamos que o outro preencha uma longa lista de necessidades e que ele se torne o nosso amante, melhor amigo, companheiro emocional, confidente, par intelectual etc. Ao mesmo tempo, acreditamos que somos insubstituíveis, indispensáveis e únicos para o outro — e o problema é que a infidelidade prova que não somos nada dessas coisas.

Portanto, quando a traição acontece, invariavelmente nós vamos nos questionar sobre o que poderia haver de errado com o nosso relacionamento ou, pior, sobre o que há de errado conosco. Assim, segundo Esther, a traição sempre foi dolorosa. Entretanto, atualmente ela se tornou especialmente traumática porque ameaça a nossa autoestima, viola a nossa confiança e pode inclusive nos levar a ter crises de identidade.

Curando o coração

Infelizmente, em se tratando de relacionamentos, a verdade é que nós somos incapazes de controlar as vontades e as ações dos nossos parceiros. E, por mais que a gente tente completar a outra pessoa e fazê-la feliz, no fim das contas, se ela decidir nos trair, não há muito que possamos fazer a respeito.

No entanto, um bom começo é ter uma conversa franca com o seu parceiro, para que cada um de vocês defina o que é considerado como traição — sair para almoçar com outra pessoa sem avisar, ter conversas íntimas online com desconhecidos, trocar beijos, fazer sexo? Dessa forma, fica mais fácil identificar e estabelecer os limites da relação e, assim, causar menos sofrimento para os dois.

Por outro lado, se a traição acontecer, conforme disse Esther na palestra, para alguns relacionamentos, a infidelidade é um sinal de que eles já estão morrendo, enquanto, para outros, ela é o choque que serve de motivação para a busca de novas possibilidades.

Além disso, há quem consiga transformar a crise em uma nova oportunidade e, se vale de consolo, pense que a maioria dos casais que já passaram por esse tipo de experiência permaneceram juntos.

E mais: a traição nunca deixará de existir, e é importante lembrar que há muitas outras formas de trair o seu parceiro — através de violência, da negligência, do desprezo e da indiferença. Isso significa que a vítima da traição nem sempre é a vítima do relacionamento, portanto fique ligado!

*Publicado em 15/07/2015

***

Você sabia que o Mega Curioso também está no Instagram? Clique aqui para nos seguir e ficar por dentro de curiosidades exclusivas!