Não sabemos como isso aconteceu, mas você está perdido em Marte. O planeta é hostil, e os obstáculos são imensos, porém, se você decidir que quer sobreviver, é essencial ler as nossas dicas e estar preparado para a ocasião.

Salve-se quem puder

A primeira coisa que você precisa saber é que não se deve perambular por Marte sem uma proteção, pois o “ar livre” não é nada convidativo. A pressão atmosférica é baixíssima: são 600 pascals, correspondentes a 0,59% da pressão atmosférica da Terra (cerca de 101 mil pascals). A composição do ar também não é amigável, com mais de 95% de dióxido de carbono e apenas 0,13% de oxigênio. Como se isso não fosse suficiente, você ainda tem que lidar com a temperatura média de -63 ºC (que pode chegar aos -129 ºC).

Permanecer desprotegido nessas condições certamente é um mau negócio. Depois de um ou dois minutos, bolhas de gás podem surgir em seus fluidos corporais. Seu sangue não vai ferver, mas seu corpo vai inchar, você vai sentir muita dor, sua circulação sanguínea será prejudicada, e você vai perder a consciência. Você não vai explodir, mas seus pulmões se romperiam em segundos. Caso você sobreviva, ainda terá que lidar com terríveis queimaduras solares – e com algumas mutações em seu DNA que podem originar um câncer futuramente.

Para evitar esse destino sombrio, você precisa se abrigar em uma câmara pressurizada, aquecida e resistente à radiação. Uma dica: se o problema for só a radiação, você pode cobrir sua casa marciana com areia e pedras. Lá dentro, você vai precisar de oxigenadores mecânicos para reciclar o ar e torná-lo respirável novamente. Para manter os equipamentos funcionando, você pode utilizar seus painéis solares para captar energia.

Dar uma voltinha fora do abrigo requer um traje especial que o proteja da radiação e de temperaturas extremas, além de dispor de sistemas que permitam a respiração e equilibrem a pressão atmosférica. O uniforme completo, com todos os acessórios, pode pesar até 45 kg (considerando a gravidade na Terra).

Sem água, sem vida

Você não vai sobreviver em Marte (e em nenhum outro lugar) sem água. Primeira coisa: você não pode desperdiçar nenhuma gota, seja ela em forma de lágrima, suor e até urina. Para isso, você precisa de um sistema de utilização que permita destilar e purificar o líquido. E de onde obter mais água? Caso você não tenha oxigênio e hidrogênio à disposição para misturá-los em uma cabine até formar vapor, que poderia ser aquecido e condensado, a Ciência ainda pode ajudá-lo.

Há anos, os cientistas sabem que existe gelo no Planeta Vermelho. Depois de cavar um pouco, você vai ter à disposição cerca de 5 milhões de metros cúbicos de gelo próximos à superfície, os quais podem ser aquecidos até se converterem em água.

Se escavar não é o seu forte, você ainda tem a opção de utilizar a água salgada dos córregos marcianos, que foram descobertos pela equipe da Nasa e revelados ao mundo recentemente. Depois de coletar a salmoura, você vai precisar recorrer ao sistema de destilação e purificação.

Tá na mesa, pessoal!

Mesmo que você recorra à pizzaria mais rápida da Terra, um motoboy espacial levaria pelo menos 9 meses para entregar seu pedido em Marte. O jeito, portanto, vai ser você produzir seu próprio alimento.

Na Estação Espacial Internacional (ISS), os astronautas já foram bem-sucedidos ao cultivar alface. Para isso, eles precisaram de uma estufa pressurizada, sementes, argila, fertilizantes, LEDs vermelho, azul e verde na quantidade e intensidade mais adequadas para o vegetal e água. Depois de 33 dias, a alface estava pronta para ser consumida.

Outra opção a se considerar é a batata, que fornece uma elevada taxa de calorias por área de cultivo. Caso você tenha levado algumas batatas terrestres, basta dividi-las em pedaços menores e enterrá-los em uma porção de solo que esteja em ambiente pressurizado, moderadamente ensolarado e com temperatura controlada. Lembre-se: na falta de fertilizantes industrializados, você mesmo pode produzir o seu – basta que seu intestino funcione corretamente.

Quer andar de carro velho, amor?

Você não vai querer explorar o Planeta Vermelho a pé, certo? Para facilitar sua sobrevivência, é preciso ter um veículo capaz de ajudá-lo a desbravar os limites marcianos. Como você já deve imaginar, é essencial que seu carro tenha uma cabine pressurizada, seja carregado por energia solar e ofereça proteção contra partículas solares.

Além disso, para garantir a estabilidade, é interessante que ele tenha seis rodas, todas com movimentação de 360 graus. Cabine inclinável para ampliar o ângulo de visão, guinchos, cabos, escavadeira e guindaste também são bastante úteis. Se você ainda puder escolher mais um recurso, invista em uma porta adaptada para reduzir a perda de ar respirável ao entrar e sair do veículo.

Comunique-se!

Considerando que a Curiosity leva 20 horas para enviar 250 megabits à Terra – e ignorando o fato de que a transmissão é interrompida por limitações energéticas –, você até conseguiria estabelecer contato rapidamente com a Nasa. Para mandar um “SOS”, por exemplo, seriam necessários menos de 7 segundos, enquanto um “estou vivo” levaria 23 segundos.

Porém, se você está perdido e sozinho em Marte, desconfiamos que seus aparelhos de comunicação estejam com problemas. Nesse caso, você pode tentar chamar atenção da sua equipe de formas mais “rudimentares”, seja movimentando seu veículo, criando padrões com a posição dos painéis solares ou explodindo alguma coisa bem grande.

A esperança é a última que morre

Seus esforços serão em vão se você perder o foco. Sem ninguém para conversar e sem certezas sobre seu retorno à Terra, você pode começar a se sentir deprimido e perder a clareza de raciocínio. Por isso, é essencial manter seu cérebro ocupado, de preferência relembrando os conhecimentos científicos que podem ajudá-lo a sair dessa.

Além disso, você deve se concentrar nos pensamentos positivos, confiando que seus amigos, familiares e colegas farão de tudo para encontrá-lo.

Você toparia ficar um ano isolado para pesquisas sobre a colonização de Marte? Comente no Fórum do Mega Curioso

Viva a experiência de se perder em Marte no cinema

O blockbuster “Perdido em Marte”, que estreou em 1º de outubro de 2015, leva para as telonas os desafios enfrentados pelo astronauta Mark Watney (Matt Damon) ao ficar absolutamente sozinho no Planeta Vermelho.

Ninguém sabe que Watney está vivo, mas ele decide que não vai morrer ali e usa todo o seu conhecimento científico para enfrentar os perigos de um local hostil – e sem perder o bom humor. Uma homenagem à Ciência com diversão e emoção garantidas!

Este infográfico é um publieditorial patrocinado pela Fox Film.