Uma pesquisa realizada na Itália mostrou que as pessoas que leem Harry Potter costumam demonstrar mais respeito por homossexuais e imigrantes do que aquelas que não conhecem os livros da série.

A “mágica da vida real” aconteceria porque Harry se identifica com membros de classes menos prestigiadas, como os “trouxas” (aqueles que não nasceram em famílias bruxas) e os elfos domésticos, que recebem tratamento de escravos. “Harry Potter se solidariza com personagens de categorias estigmatizadas, tenta entender o sofrimento deles e luta pela igualdade social. Meus colegas e eu achamos que a empatia é a chave para diminuir o preconceito”, explica Dr. Loris Vezzali, líder da pesquisa.

Como a pesquisa foi realizada

O estudo incluiu dois experimentos práticos, sendo um com alunos do Ensino Fundamental, tratando sobre os imigrantes, e outro com estudantes do Ensino Médio, abordando os homossexuais.

No primeiro experimento, 34 alunos receberam um questionário abordando suas percepções sobre os imigrantes. Na sequência, uma vez por semana durante um mês e meio, um pesquisador se reunia com a turma para ler trechos dos livros e discutir as passagens. Metade dos alunos trabalhou com trechos que falavam sobre preconceito (como quando o asqueroso Draco Malfoy chama a “trouxa” Hermione Granger de “sangue-ruim nojenta”), e a outra metade debateu outros tipos de mensagens trazidas pela série.

Depois desse tempo, os alunos receberam o mesmo questionário novamente e responderam se eles se identificavam mais com Harry Potter ou com Voldemort, o grande vilão. Conclusão: os estudantes que debateram os trechos que tratavam sobre preconceito demonstraram mais tolerância com os imigrantes – mas apenas aqueles alunos que se identificavam emocionalmente com Harry.

No segundo experimento, 117 estudantes do Ensino Médio responderam um questionário que perguntava quantos livros de Harry Potter eles haviam lido e abordava seus posicionamentos a respeito dos homossexuais. O resultado foi que os estudantes que mais conheciam os livros da série eram os que apresentavam maior tendência a respeitar as diferentes orientações sexuais.

Conclusões

“Os posicionamentos das crianças mais novas são mais maleáveis, então os educadores deveriam aproveitar essa fase para desencorajar os preconceitos enquanto essas opiniões ainda não são tão resistentes”, disse o Dr. Vezalli.

Dumbledore

A observação dos pesquisadores de que Harry Potter se esforça para “entender criaturas como os elfos domésticos e trasgos e respeitar suas dificuldades” está em concordância com o que a própria autora dos livros, J. K. Rowling, já declarou sobre a série. Segundo ela, a saga se trata de uma súplica pelo fim da intolerância, abordando temas políticos e sociais – Rowling inclusive revelou que sempre pensou que o grande diretor Dumbledore fosse gay.

Via EmResumo