Muitos de nós já ouvimos falar sobre bruxas da vida real, mas quando se trata de bruxos, eles estão limitados aos livros do Harry Potter. O mais próximo do mundo real que eles chegam é o que vemos na TV. Mas é hora de todos eles se afastarem e abrirem caminho para esses 10 bruxos que estão longe de serem fictícios.

Eles levaram a magia a um nível bem diferente do que estamos acostumados a ouvir, algo muito mais real e mais perto do que vivemos. Você acredita que esses bruxos incríveis realmente existiram e fizeram tudo o que é relatado? Então, vamos conferir esses homens que causam estranheza e o que eles fizeram para estar nessa lista.

01 — Nicholas Flamel

A maioria dos fãs de Harry Potter conhecem esse nome. Nos livros, ele era o bruxo francês que criou a pedra filosofal e tinha mais de 600 anos de idade quando conheceu Dumbledore. Claro, isso é apenas ficção. Na vida real, Flamel é conhecido por ter se envolvido na alquimia.

Pesquisadores afirmavam que Flamel se envolveu com arte das trevas quando ele viajou para Santiago de Compostela. Quando ele retornou como um mago, as pessoas notaram que ele e sua esposa haviam se tornado extremamente ricos e concluíram que ele usou seus poderes mágicos para isso.

Na verdade, a riqueza de Flamel veio das duas lojas que ele possuía e de uma herança que sua esposa recebeu. Nicholas Flamel morreu em 1418, mas sua história continua sendo amplamente contada até hoje.

02 — Chaim Samuel Jacob Falk

Falk nasceu na Alemanha no ano de 1708, mas fugiu para Londres com medo de ser queimado até a morte. Ele foi imediatamente conhecido por causa de suas impressionantes habilidades místicas. Aparentemente, ele podia mover objetos com a sua mente e ele mesmo encheu uma adega com carvão usando alguns encantamentos.

Também conta-se que ele salvou uma grande sinagoga de Londres de um incêndio apenas escrevendo algumas palavras em hebraico sobre os pilares. Ele até deu um anel mágico para o Duque de Orleans para garantir que a sucessão ao trono permaneceria dentro da família. O anel foi passado para o filho do Duque, que acabou se tornando o rei francês Louis Philippe.

03 — Paracelso

Nascido em 1493 como Philippus Aureolus Theophrastus Bombastus von Hohenheim, Paracelso era um homem brilhante que se destacava na medicina, astrologia, botânica e alquimia. Ele é a pessoa que deu nome ao zinco e é responsável por rastrear as raízes psicológicas de inúmeras doenças. Ele usava a astronomia junto com seus medicamentos para tratar seus pacientes e acreditava que, para ter boa saúde, o homem tinha que estar em harmonia com a natureza.

Ele desenvolveu o "Alfabeto dos Reis Magos", que é uma linguagem mágica que apela aos espíritos para ajudar no processo de cura dos pacientes. Tornou-se famoso por seus métodos de "cura mágica", no qual ele combina medicina, astronomia e alquimia juntos para tratar as pessoas de uma maneira toda dele.

04 — Papus

Também conhecido como Gerard Eucausse, Papus nasceu no ano de 1865. Ele era um escritor oculto e até mesmo escreveu muitos livros sobre as artes das trevas que ele praticava regularmente. Em 1888, ele fundou um grupo ocultista chamado "A Ordem Cabalística da Rosa-Croix". Ele também fazia parte de outras sociedades mágicas, como a Ordem da Aurora Dourada e a Irmandade Hermética da Luz.

Em 1905, quando Papus visitou Alexandra e Czar Nicholas II, na Rússia, ele conjurou o espírito do pai do czar, que disse que o trono seria perdido pelo filho por uma revolta do povo. Ele ainda disse que a revolta não aconteceria enquanto Papus estivesse vivo. Quando o bruxo morreu, Nicholas foi deposto apenas 141 dias depois.

05 — Hew Draper

Na década de 1500, Hew Draper administrava uma pousada, mas foi capturado e preso em uma torre em Londres porque havia rumores de que ele mexia com feitiçaria. Quando foi questionado sobre isso, ele admitiu que gostava de magia, mas tinha queimado todos os seus livros de alquimia. Enquanto estava preso na torre, ele decidiu adicionou alguns desenhos àqueles já gravados pelos prisioneiros anteriores.

O que ele desenhou foi algo que pegou todos de surpresa. Ele gravou um projeto astrológico detalhado e completou-o com todos os signos do zodíaco. Também escreveu seu nome e uma data, 30 de maio de 1561. Ninguém sabia o motivo dessa data, mas quando chegou o dia, ele desapareceu. Ele não fugiu, nem morreu na prisão ou qualquer outro lugar. As pessoas então se convenceram de que ele era um bruxo.

06 — Cornelius Agrippa

Muitas vezes referido como o maior mago de todos os tempos, Agrippa foi um escritor excepcional. Ele escreveu alguns livros sobre o funcionamento das artes das trevas e seus usos. Um de seus livros mais famosos é o "De Occulta Philosophia Libra Tres" que pode ser traduzido como "Os Três Livros da Filosofia Oculta", um livro que mostra o sistema de magia em três níveis: natural ou alquimia, astronomia e a magia vocal ou convocação dos espíritos.

Ele acreditava e escreveu que toda magia estava enraizada na obra divina. Agrippa estudou o ocultismo e chegou a um ponto que ele escreveu sobre a convocação de espíritos para se livrar das pragas ao redor da casa. Embora tenha sido um mago poderoso, ele desistiu de tudo isso em torno de 1530, já que tinha certeza que estudar e acreditar no ocultismo iria levá-lo para o inferno. Ele mesmo advertiu os leitores sobre como usar esses poderes.

07 — John Dee

Dee era, ao mesmo tempo, um místico e consultor científico da Rainha Elizabeth I da Inglaterra. Ele era um homem muito inteligente que estudou tudo o que sua mão poderia alcançar. Publicou um livro chamado Monas Hyroglyphica que era um hieróglifo que representava a criação e a sua unidade. Logo após a sua tomada teórica sobe o mundo espiritual, ele queria mais e procurou uma maneira de se conectar diretamente com os espíritos.

Foi então que ele conheceu Edward Talbot (que viria a ser conhecido como Edward Kelley). Eles foram parceiros próximos e viajaram juntos pela Europa, exibindo suas habilidades mágicas para a realeza. Em 1587, Kelley disse à Dee que ele tinha falado com os anjos e que eles precisavam compartilhar suas esposas um com o outro. Depois de ouvir isso, Dee deixou Edward e voltou para a Inglaterra, tornando-se diretor do Colégio de Cristo, em Manchester.

08 — Edward Talbot

Também conhecido como Edward Kelley, ele era amigo íntimo e cúmplice de John Dee. Ambos passaram alguns anos na Europa e partilharam o mesmo amor pela magia. Kelley acreditava ter criado o enochiana, um alfabeto mágico. Chegou a afirmar que usou uma bola de cristal para falar com espíritos. Ao contrário do amigo, Kelley era crente na alquimia. Ele descobriu um livro mágico chamado "Livro de Dunstan" que tinha um feitiço que poderia transformar qualquer metal em ouro usando um pó vermelho mágico.

Quando ele e Dee se separaram, Kelley permaneceu na Europa e continuou o seu trabalho com a alquimia. Vilem Rozmberk deu a Edward muitas propriedades e, no ano de 1590, o Rei Rudolph II condecorou o alquimista. Em 1591, o rei prendeu-o por assassinato, mas dizem que sua prisão foi porque o rei queria que o mago transformasse metal em ouro. Quando ele concordou, foi libertado, sendo preso novamente em 1595, quando voltou atrás em sua promessa.

09 — Eliphas Levi

Se lermos sobre magia na era vitoriana, o nome de Levi é sempre destacado. Ele escreveu "Mágica Transcendental, a sua doutrina e ritual", que foi a maioria influência sobre muitas sociedades ocultas em todo o mundo. A Ordem da Aurora Dourada foi uma das muitas sociedades que tinham como base o funcionamento desse livro.

Ele começou o seu trabalho mágico em 1853, sendo introduzido à magia por Edward Bulwer-Lytton. Ele apresentou à Levi as cartas de tarô e deu a importância que tem hoje, bem como a associação do pentagrama invertido para o mal e a posição vertical para o bem. Sua maior obra foi a de que ele introduziu os três princípios básicos da magia em torno da era vitoriana.

10 — Aleister Crowler

Este homem foi nomeado como o "pior homem do mundo" e por boas razões. Ele foi o maior ocultista do mundo e moldava a forma como os ocultistas modernos trabalhavam com magia. Ele era muito interessado em alquimia e, mais tarde, ingressou na Ordem da Aurora Dourada. Suas crenças e funcionamento foi a raiz das rixas entre as filiais da Ordem na Inglaterra e na França. Logo ele deixou a Ordem e fundou seu próprio grupo.

Ele alegou que recebeu instruções de Aiwass (mensageiro de Hórus, deus egípcio), que lhe disse que ele era o novo profeta e que sua sociedade tinha como lei fazer o que quisesse. Ele, então, se estabeleceu na Sicília e conjurava espíritos do antigo Egito. Estava sempre envolvido na regressão da morte e afirmou que se lembrava de coisas de sua vida anterior.