Pegadas do que podem ter sido os primeiros ancestrais humanos a chegar à Europa foram descobertas no litoral de Norfolk, na Inglaterra, conforme anunciado pelo The Telegraph. Acredita-se que as marcas preservadas, que reuniam 49 impressões em uma macia rocha sedimentar, tenham cerca de 900 mil anos e possam transformar o entendimento dos cientistas sobre como os primeiros humanos se moviam ao redor do mundo.

As pegadas foram encontradas por cientistas em maio de 2013 depois que a força da água levou grandes quantidades de areia da praia e revelou as diversas depressões. Os cientistas retiraram o que sobrou da areia e da água para poder registrar imagens tridimensionais da superfície. Infelizmente, as marcas já foram apagadas pela rápida ação do mar.

A descoberta só foi anunciada no início desse mês e acredita-se que seja a evidência mais antiga da presença de hominídeos no norte da Europa. Os antropólogos e biólogos evolucionistas de toda a Inglaterra estão estudando as pegadas e acreditam que elas possam estar relacionadas com o hominídeo extinto Homo antecessor. Os rastros contêm cinco tipos de pegadas diferentes, indicando que um grupo formado por adultos e crianças caminhou pelo local há milhares de anos.

Até o momento, os vestígios mais antigos de humanos já encontrados na Europa estavam no sul do continente, como as ferramentas de ossos descobertas no sul da Itália e um dente localizado na Espanha. Sabe-se que existem mais dois lugares no mundo em que pegadas milenares foram encontradas. Ambos estão no continente africano, sendo um deles no Quênia (1,5 milhão de anos) e outro na Tanzânia (3,5 milhões de anos).

Diagrama mostra o número e a posição de pegadas encontradas em Norfolk. Fonte da imagem: Reprodução/The Independent

A descoberta foi revelada pelo Museu Britânico de Londres e divulgada no periódico PLOS One. Além disso, as pegadas farão parte de uma nova exibição que será realizada no Museu de História Natural de Londres.