Se você acha que os porquinhos-da-índia são uma fofurinhas, com aqueles bigodinhos graciosos, narizinhos rosados e comportamento totalmente inofensivo, isso é porque você não sabe como essas criaturas eram no passado! Há oito milhões de anos os ancestrais evolutivos desses bichinhos perambulavam aqui pela América do Sul, e as evidências apontam que eles eram do tamanho de búfalos. Fofurinhas, é?

Fonte da imagem: Reprodução/ National Geographic

O Phoberomys pattersoni — ou “Guinea-zilla”, como foi carinhosamente apelidado — foi descoberto por uma equipe de cientistas na Venezuela em 2003. Graças ao incrível estado de preservação do esqueleto, os pesquisadores descobriram que se tratava de um enorme roedor com um metro de altura, quase três de comprimento e incríveis 700 quilos de peso. Aliás, até onde se sabe, o P. pattersoni foi o maior roedor a ter habitado a Terra.

Fonte da imagem: Reprodução/BBC

Além disso, o “porcão-da-índia” pré-histórico contava com dentes de 20 centímetros de comprimento e provavelmente vivia em grupos. Os cientistas também acreditam que os Guinea-zillas eram criaturas semiaquáticas — ou seja, que dividiam o seu tempo entre a terra e a água, como as capivaras, por exemplo — e que eram herbívoros. Mesmo assim, eis uma criatura com a qual ninguém gostaria de topar na rua.