Outro feito tão genial quanto assustador foi emplacado por pesquisadores da Texas A&M University neste início de ano. Não bastassem descobertas que dão às máquinas o poder de “aprender a se comportar”, cientistas agora conseguiram controlar os movimentos de uma barata por meio de um circuito cravado no sistema nervoso do inseto.

Na realidade, ditar os passos deste tipo de animal não é um procedimento exatamente novo (veja mais aqui). O controle das antenas das baratas tem sido feito há anos em testes do gênero, mas os resultados dos experimentos nunca foram muito precisos – no máximo, um "obstáculo" é que podia ser identificado pelo inseto.

Desta vez, um circuito alimentado por uma bateria foi amarrado às costas da cobaia; dois eletrodos que estimulam os gânglios nervosos – um conjunto específico de células do primeiro torácico – são responsáveis ainda por controlar as antenas. Os sinais elétricos emitidos remotamente, de acordo com os pesquisadores, foram identificados de forma bastante apurada pela barata.

Segundo os cientistas, fazer o bicho caminhar e até conduzi-lo por direções diferentes foram algumas das ações praticadas pelo inseto durante os testes. O mecanismo inventado recebeu o nome de “sistema robótico híbrido controlado remotamente”. Uma vez aprimorada, a descoberta poderá fazer com que insetos possam, por exemplo, vascular escombros em busca de vítimas de incêndios ou terremotos. 

Via TecMundo