Serpentes venenosas sempre são fortes ameaças para a maioria dos animais e também para os humanos. No entanto, muitas espécies conseguem vencê-las, seja por ser de um porte bem maior ou por habilidades que as fazem se safar de qualquer ataque das cobras.

Contudo, o que acontece quando uma espécie parece não ter a mínima chance de sobreviver a uma víbora, mas vira o jogo de forma impressionante? O resultado pode ser visto na imagem abaixo, que foi captada por pesquisadores que estavam em campo na Macedônia.

A situação surpreendente registrada por eles mostrava uma serpente do tipo víbora-cornuda (Vipera ammodytes) com a cabeça de uma centopeia (Scolopendra cingulate) saindo de seu abdômen rompido. Depois de uma “autópsia” do réptil, os cientistas acreditam que possivelmente a centopeia literalmente eviscerou a cobra de dentro para fora, ou seja, a cobra achou que tinha ganhado o jogo, engolindo o artrópode, mas o outro a comeu viva.

No entanto, apesar do esforço para sair de dentro da serpente (obtido em parte), a centopeia também não sobreviveu. Os restos das espécies que participaram dessa “batalha” foram descobertos em 14 de maio de 2013, em Golem Grad, uma ilha no lago Prespa, e descritos no mês passado em um breve relatório publicado na revista Ecologica Montenegrina.

A víbora era uma fêmea jovem que se estendia por apenas cerca de cinco centímetros a mais do que a centopeia. Entretanto, a centopeia era bem mais pesada do que o réptil. As víboras-cornudas se alimentam de pequenos mamíferos, lagartos e pássaros e também são conhecidas por apreciar uma boa centopeia sem sofrer nenhum dano com isso.

Mas, neste caso em particular, a cobra subestimou o tamanho e a força de sua presa, segundo os cientistas. A dissecção do réptil constatou que os órgãos viscerais da cobra estavam faltando ou, em outras palavras, todo o volume de seu corpo foi ocupado pela centopeia.