Nós já sabemos que existem milhões de animais a serem descobertos na Terra, então não é surpresa que a cada dia apareçam muitas novas espécies a serem catalogadas. Mesmo que algumas pessoas pensem que quanto menos aranhas no mundo, melhor, o fato é que sempre há novas espécies sendo descobertas, marcando presença aqui no Mega Curioso .

Recentemente mostramos 13 novas espécies de aranha que foram encontradas por uma expedição na Austrália, além da tarântula gigante que foi descoberta no Sri Lanka. Agora, um novo gênero com quatro novas espécies de aracnídeos foi catalogado como inédito. No entanto, ele já havia sido descoberto há mais de uma década.

Uma das novas espécies do gênero May, descoberto em 2004, mas oficializado apenas recentemente

O que motivou o registro recente por parte dos pesquisadores foi uma nova análise dos espécimes coletados em 2004 nos desertos da Namíbia e África do Sul. Peter Jäger e Henrik Krehenwinkel, os responsáveis pela coleta junto do colega Dirk Kunz, concluíram que não havia encaixe dos bichos encontrados em nenhum gênero de aranha já conhecido. Ao realizarem uma busca por coleções de museus na África do Sul, encontraram três novas espécies que casavam com o gênero analisado. Assim Jäger e Krehenwinkel publicaram suas constatações na revista científica African Invertebrates, oficializando a descoberta.

O novo gênero e as suas espécies

Os responsáveis pela pesquisa batizaram o novo gênero aracnídeo como May para homenagear o patrono das pesquisas de biodiversidade na África, Bruno May. Assim, as novas espécies foram batizadas de May bruno, May ansie, May rudy e May norm.

A aranha May bruno

A maior das espécies é May bruno, que pode chegar a aproximadamente 1,3 cm de comprimento com pernas que podem atingir 7,3 cm. Esses espécimes cavam túneis de até 30 cm de profundidade, como se fossem tocas, e os cobrem com tampas. Segundo Jäger e sua equipe, essas escavações são feitas com ajuda de longos pelos que estão presentes nos palpos dessa aranha. Os palpos são apêndices localizados próximos à boca da maioria das aranhas que contribuem para os sentidos de tato e paladar desses animais.

Assim como M. bruno, as demais espécies também possuem longas pernas e cavam suas tocas nas areias do deserto ou deslizam em cascalhos. Outra característica do gênero encontrado é que se trata de aranhas caçadoras que não utilizam a teia para capturar as suas presas.

Entrada da toca com uma tampa feita pelas aranhas do gênero May

Ainda tem mais

Os pesquisadores se atentaram para aspecto incomum e um pouco intrigante. Todos os espécimes fêmeos M. bruno encontrados apresentavam marcas duplas de cicatriz na região das costas, enquanto nenhum dos machos apresentou a mesma particularidade. Além disso, a distância entre as marcas batia com o comprimento que separa as presas deles. Isso fez os cientistas acreditarem que as marcas podem ser sinais de um ritual de cortejo pré-copulatório. Entre as outras espécies descobertas, somente as fêmeas de May norm apresentaram a mesma característica.