Um estudo publicado no jornal de Biologia e Evolução Molecular revela que as primeiras criaturas a desenvolver joelhos foram as aranhas. Segundo a pesquisa, um gene originado em alguns insetos que as antecederam representou o início dos das articulações primárias de membros inferiores.

O autor principal do trabalho, Nikola-Michael Prpic, explicou que a evolução das espécies e o desenvolvimento de novas características é constante, revelando a importância do estudo. “Nosso trabalho mostra como um gene pode ser duplicado e usado durante a evolução para gerar novos atributos morfológicos”, declarou Prpic, que é membro do Centro de Biociências Moleculares de Göttingen, na Alemanha.

Para chegar a essa observação, o trabalho foi focado em um gene específico conhecido como “dachshund” (dac), o nome inglês para a raça de cães bassê. Conforme descreve o site Discovery News, a nomenclatura é uma espécie de “piada nerd”, já que o gene foi descoberto a partir da mutação das moscas-das-frutas. Essa alteração nos insetos resulta em uma perna faltante ou em pernas menores. Sobre a relação com a raça canina em questão, as pernas curtas são características dos cães bassê.

O estudo

Após identificar que os aracnídeos, em geral, possuem um segundo gene dac, o dac2, os pesquisadores procuraram desativá-lo por meio de uma técnica chamada de interferência por RNA. Como o dac2 é responsável pelo desenvolvimento das patelas dos joelhos durante o crescimento e desenvolvimento das aranhas, o procedimento adotado no estudo causou a fusão dessa região com as tíbias, formando um segmento único de perna, sem articulação.

O exemplar de aranha resultante, provavelmente, é próximo de como eram os antigos espécimes desse animal, antes de passarem pela duplicação genética do dac. A evolução com o dac2 permitiu a elas uma nova função e uma mudança significativa na maneira de andar.

A pesquisa em humanos

Os cientistas seguem investigando os genes de humanos para saber como eles influenciam no desenvolvimento dos joelhos. Alguns especialistas sugerem que as características apresentadas por algumas pessoas, como a fragilidade dessa parte do corpo, podem ter origem hereditária.