É fato que cães precisam de exercício regular (com variações de intensidade, dependendo do porte e do nível de energia); não é saudável mantê-los presos ou somente no quintal, mesmo que ele seja espaçoso.

O passeio proporciona inúmeros benefícios, entre eles gasto de energia, maior ligação entre cão e dono, socialização com pessoas e outros cães, bem como exposição a diferentes cheiros, barulhos e movimentos. Tudo isso, combinado, contribui para que os cães tenham menos tendência a desenvolver comportamentos obsessivos, medos etc.

No entanto, não são raros os relatos de donos que acabaram desistindo de sair com seus cachorros por terem experienciado situações constrangedoras ou até mesmo perigosas.

Pensando nisso, reunimos aqui algumas dicas valiosas que devem ajudar você a se divertir com seu amigo canino durante os passeios.

1- Segurança é fundamental

Mantenha sempre uma plaquinha de identificação do seu cão na coleira. Nela inclua o nome dele e telefones para contato, caso ele se perca. Claro que a gente não quer que isso aconteça, mas é sempre bom se prevenir.

Existem vários modelos; esse foi o que escolhi para a Paçoca (na parte de trás estão gravados os telefones)

2- Fuja dos enforcadores

Embora os enforcadores tenham sido usados frequentemente até pouco tempo atrás, hoje a tendência é de evitá-los, pois eles geram desconforto no pescoço e deixam o cão confuso.

Por outro lado, peitorais comuns, daquelas com o gancho nas costas do cão, não são indicadas porque favorecem os puxões — situação bastante recorrente, mas perigosa, portanto deve ser evitada.

Opte por uma coleira comum de pescoço ou uma peitoral antipuxão, se o seu cão tiver o costume de puxar muito. Existem algumas marcas boas no mercado e para todos os portes de cachorros.

A grande diferença da peitoral antipuxão é que nela a guia se conecta na parte da frente do cão, e não nas costas, como nas peitorais mais comuns; e acredite: isso muda tudo para melhor

3- Acostume o cão com a guia

Embora a maioria dos donos de cães gostem que eles fiquem animados sempre que veem a guia, essa excitação toda pode atrapalhar bastante. Por isso, crie o hábito de pegá-la várias vezes ao dia, sem fazer contato visual com o cão, e deixá-la em diferentes partes da casa. Com o tempo, a tendência é de que o objeto se torne comum para ele.

Por outro lado, há cachorros que ainda precisam ser acostumados a usar a coleira e a guia. Isso acontece bastante com filhotes e com os que são resgatados das ruas, mas pode ser resolvido facilmente também: basta ir aos poucos, sempre agradando o cachorro com petiscos e frases de encorajamento, como “muito bem” (por exemplo: coloque a coleira no pescoço no primeiro dia e deixe por 5 minutos; no dia seguinte, aumente para 10 minutos, e assim por diante). 

<3

4- Nada de euforia

É bem importante esperar para sair quando o cão estiver mais calmo. Isso porque euforia significa cão sem foco no dono, afoito para cheirar e correr sem controle, o que não combina com um passeio equilibrado.

O estado de calma que se espera dos cachorros começa nos donos, afinal os nossos amigos caninos absorvem a energia ao redor. Portanto, nada de colocar a culpa neles! 

É engraçado, mas nada saudável :/

5- Recompense seu cão durante a caminhada

Sempre que o cachorro se mantiver tranquilo durante o passeio, recompense-o com petiscos e elogios.

Paçoca e Solange, minha duplinha dinâmica

6- Torne isso um hábito

Certamente, controlar-se e estabelecer uma nova rotina é desafiador; porém, é também bastante saudável e traz ótimas recompensas. Mantendo a frequência e a intensidade adequadas ao nível de energia do seu cão, você vai notar as diferenças rapidamente: em vez de gerar estresse e frustração, os passeios vão se transformar em momentos de relaxamento. Nada mal, né? 

<3