Por Kerry Sheridan

Washington (AFP) – Um esqueleto humano, com 12.000 a 13.000 anos de antiguidade, o mais antigo do continente americano, foi encontrado em uma caverna inundada no estado mexicano de Quintana Roo, na Península de Yucatán (leste do México), informou nesta quinta-feira o Instituto Nacional de Antropologia e História do México (INAH).

A ossada de uma adolescente entre 15 e 16 anos, que viveu no Pleistosceno Tardio, e foi chamada de Naia, “tem sido estudada há quase três anos por especialistas nacionais e estrangeiros, e foi datado cientificamente com uma antiguidade de 13.000 e 12.000 anos em laboratórios de Estados Unidos e Canadá”, afirmou em coletiva de imprensa, na Cidade do México, Maria Teresa Franco, diretora-geral do INAH.

Após ter sido submetido a estudos de DNA mitocontrial, Carbono 14 e Urânio/tório, deduziu-se que tratava-se do “resto humano mais antigo que se conhece na América”, o que transforma esta “extraordinária descoberta” no elo que faltava para confirmar o vínculo existente entre os primeiros povoadores da América e grupos de indígenas contemporâneos nesse continente, acrescentou Franco.

Em artigo publicado nesta quinta-feira na revista americana Science, cientistas informaram que o esqueleto da adolescente – o mais bem preservado das Américas – oferece novas pistas sobre as origens dos primeiros nativos americanos.

A ossada foi encontrada em 2007, submersa em uma caverna subaquática, junto com ossos de tigres-dentes-de-sabre, preguiças gigantes e ursos das cavernas, cerca de 41 metros abaixo do nível do mar.

Roberto Chavez Arce/Divulgação

Na época em que ela caiu, a região, conhecida como Hoyo Negro (Buraco Negro, em espanhol) era seca e sobre a superfície.

O degelo de glaciares provocou um aumento no nível do mar que cobriu o buraco com água nos últimos 8.000 anos.

A menina pode ter escorregado e caído naquilo que pareceu para ela, e para os animais que tiveram o mesmo fim, um buraco cheio d’água.

Sua pélvis parece ter se quebrado com o impacto, sugerindo que ela teria morrido logo após a queda, explicou Jim Chatters, arqueólogo e antropólogo forense em Bothell, Washington.

Seu crânio demonstra que ela tinha um rosto pequeno e estreito, olhos separados, uma testa proeminente e dentes que se projetavam para fora.

Sua aparência era “quase o oposto daquela dos nativos americanos”, disse Chatters a jornalistas.

Mas um marcador genético encontrado no osso da costela da menina e nos dentes mostrou que sua linhagem materna era a mesma encontrada em alguns nativos americanos modernos.

Origens na Ásia

O estudo sugere que ela teria descendido de pessoas que migraram da Ásia pelo Estreito de Bering sobre uma massa de terra que era conhecida como Beríngia.

“O que este estudo apresenta, pela primeira vez, é a evidência de que os paleoamericanos com aquelas características distintas também podem ser diretamente vinculados à mesma população originária da Beríngia que a dos americanos contemporâneos”, disse Deborah Bolnick, professora assistente da Universidade do Texas, em Austin.

Isto contraria as teorias de alguns especialistas, segundo os quais os nativos americanos descenderam de pessoas que migraram depois, talvez da Europa, do sudeste da Ásia, ou da Austrália.

“Eu costumava ser um daqueles defensores dos eventos das imigrações múltiplas”, afirmou Chatters, um arqueólogo mais conhecido por seu trabalho sobre o Homem de Kennewick, restos de crânio e esqueleto de 9.800 anos encontrados no estado americano de Washington.

Cortesia de Paul Nicklen/National Geographic

Chatters acreditou inicialmente que o Homem de Kennewick descendia de colonos europeus, porque seu crânio não parecia com o de um rosto de um nativo americano típico.

Uma pesquisa subsequente e exames de DNA feitos em Naia mudaram, porém, sua forma de pensar sobre a origem dos primeiros nativos americanos.

A equipe internacional de cientistas que trabalha em Naia identificou apenas um marcador genético de seu DNA mitocondrial, chamado haplogrupo mtDNA D1.

“O haplogrupo D1 se derivou de uma linhagem asiática, mas é encontrado apenas nos americanos de hoje”, explicou Bolnick.

“Aproximadamente 11% dos nativos americanos possuem esta linhagem genética”, acrescentou.

“É encontrado em toda a América do Norte, Central e do Sul, e esta linhagem, a D1, é especialmente comum em algumas populações sul-americanas”, prosseguiu.

Bolnick disse que sua análise nesse ponto não pode excluir a possibilidade de que outros povos primitivos, conhecidos como paleoamericanos, venham de lugares diferentes da Beríngia, mas até agora essa evidência não sustenta esta possibilidade.

Naia é o sexto ser humano mais antigo encontrado nas Américas, acrescentou Chatters.

Futuras pesquisas visam a decodificar seu DNA nuclear, o que deverá revelar mais detalhes sobre sua ancestralidade.

Via EmResumo