Se te perguntarem qual é o sorriso mais famoso de todos os tempos, provavelmente você vai dizer que é o da Mona Lisa. O mistério em torno de sua expressão facial fez com que seu quadro se tornasse o mais valioso da história da humanidade – e isso que tem gente que defende que sequer ela está sorrindo na imagem!

Em 2013, o mistério ganhou novo fôlego com a descoberta de uma ossada que poderia ser da musa inspiradora de Leonardo Da Vinci. Apesar de não ser uma unanimidade, a maioria dos historiadores acredita que o quadro retrata Lisa Gherardini, esposa de um mercador de Florença, na Itália, chamado Francesco del Giocondo.

O túmulo da família se encontra na basílica da Santíssima Annunziata, no convento de Santa Úrsula. Lá foram encontrados os restos mortais de três mulheres. Mas será que algum deles pertenceu à famosa musa de La Gioconda, nome pelo qual o quadro também é conhecido?

Será que os historiadores encontraram os restos mortais da Mona Lisa? Comente no Fórum do Mega Curioso

Local em que os fragmentos ósseos foram achados no convento de Santa Úrsula

Balde de água fria

Se depender da ciência, porém, a história vai continuar enigmática. Testes de carbono-14, usados para datar registros históricos, mostram que apenas um pequeno grupo de ossos encontrados no sepulcro dos Giocondo, em Florença, são do início do século 16 – período no qual Lisa Gherardini viveu e que o quadro foi pintado.

Essa notícia foi um balde de água fria na esperança dos pesquisadores. Eles acreditavam que poderiam encontrar o crânio de Lisa e, com isso, reconstruir digitalmente sua face para compará-la ao famoso quadro. Porém, nenhum crânio foi encontrado dentro da cripta.

“Nosso maior problema é o fato de que os fragmentos eram muito pequenos e muito deteriorados”, declarou Giorgio Gruppioni, chefe do laboratório de antropologia forense da Universidade de Bolonha, na Itália. Por não ser possível extrair o DNA desses ossos, a comparação com descendentes dos Giocondo fica impossível.

DNA não pôde ser extraído de ossada

Histórico das descobertas

Em 2007, o atestado de óbito de Lisa Gherardini foi encontrado por historiadores, reacendendo a discussão sobre ela ser a modelo do quadro de Da Vinci. Quatro anos depois, iniciou-se a busca pelo túmulo de Lisa a fim de solucionar o mistério secular. A busca parecia terminada, quando descobriram os restos mortais da família Giocondo de Santa Úrsula.

Para quem não sabe, Lisa teria se tornado freira nos últimos anos de sua vida. Ela faleceu em 1542, aos 63 anos – alguns dizem, porém, que a morte foi só em 1551. Enfim, o que importa mesmo é que os restos encontrados em 2011 não eram dela.

Em 2012, novos ossos foram descobertos no túmulo do convento, em uma cripta supostamente de Maria Del Ricco. A ideia do entusiasta Silvano Vinceti – autoproclamado superdetetive italiano – era fazer testes de DNA para comprovar que os ossos se tratavam de Lisa. Mais uma vez, ele estava errado.

Autoproclamado um superdetetive, Silvano Vinceti comanda escavação da suposta ossada de Mona Lisa

Golpe de marketing

Com a nova frustração deste ano, Vinceti finalmente admitiu que a busca pelos restos mortais de Lisa Gherardi são praticamente inúteis, dada a fragmentação dos ossos encontrados até então. Isso impede que o DNA seja extraído. Kristina Killgrove, que escreve sobre arqueologia para a revista Forbes, acredita que toda essa pesquisa não passa de um “golpe de marketing”.

“Exumar Lisa Gherardini para estudar seus ossos é uma forma de saciar a nossa necessidade de biografias de pessoas famosas do passado – e é quase certo que isso vai levar mais turistas a Florença, principalmente se o esqueleto for exposto. Mas isso não vai contribuir em nada para a investigação forense, para a arqueologia ou para a história da arte”, criticou a historiadora.

Ela compara a busca pela Mona Lisa “real” como procurar uma agulha em um palheiro, em que está sendo feito um investimento desnecessário, principalmente por não haver nenhum critério de pesquisa científica. Ao criticar os métodos de Vinceti, ela diz que isso denigre a imagem de arqueólogos “de verdade”. Polêmica!

Mistério sobre a identidade de Mona Lisa deve continuar

***

E para você, caro leitor? Acredita ser de extrema importância localizarmos os restos mortais da musa inspiradora de Da Vinci – se é que realmente se trata de Lisa Gherardi – ou acha que isso tem sido um esforço em vão?