“Percebi que a arquitetura da África não é tão divulgada quando a comparamos com a da Ásia, da Europa, do Oriente Médio e da Índia”, escreveu no Twitter o usuário identificado como Igbo Excellence (igbo é uma etnia do leste da Nigéria). A esse tweet se seguiram outros, com mais de 40 exemplos de estilos arquitetônicos do continente.

Porém, como bem esclareceu à revista Veja o professor de arquitetura da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) especializado em África Roberto Conduru, o continente é composto por centenas de etnias, cada uma elas com sua própria cultura.

 “Falar em arquitetura africana é como enfiar a arquitetura inca, a modernista colombiana e um prédio da Avenida Paulista em um mesmo saco sul-americano. Não faz o menor sentido”, disse ele.

A Aldeia Solar é um projeto dos angolanos Costa Lopes e do moçambicano José Forjaz. (Fonte: Costa Lopes/Manuel Correia)

Além disso, muitos dos prédios usados como exemplo pelo usuário do Twitter são, na verdade, de arquitetos italianos, ingleses e espanhóis. Vale, então, lembrar não apenas a genialidade dos arquitetos das etnias Kassena, Axanti e Musgum e a singularidade de suas cabanas, como também a modernidade simples e bela dos projetos do burquinense Diébédo Francis Kéré ou dos irmãos angolanos Alexandre e António Costa Lopes, estendendo-se de prédios comerciais e museus a escolas e assentamentos rurais.

Independentemente do estilo, confira uma amostra do que há de mais belo na arquitetura do continente.

1. As cabanas de lama dos Musgum - Camarões e Chade

Os Musgum (ou como chamam a si mesmos, Mulwi) são um grupo étnico espalhados pelos dois países. Suas cabanas, feitas de lama seca ao sol, têm desenhos singulares.

As casas se agrupam em cinco, em torno de uma área comum. (Fonte: CasaCor/Rita Willaert)

2. As casas de barro dos Kassena - Burkina Faso

A pequena vila circular de Tiébélé, famosa por suas sukhalas, ou casas coloridas sem janelas, abriga os Kassena, grupo étnico mais antigo do país.

Os Kassena usam argila, caolim e carvão para decorar suas casas. (Fonte: Flickr/Maarten van der Bent)

3. A arte quase extinta dos Axanti - Gana

O Império Axanti há muito ruiu, mas seus edifícios de terra, madeira e palha, vestígios do grande reino, são considerados Patrimônio da Humanidade.

Pinturas elaboradas e tetos fortemente inclinados caracterizam a arquitetura Axanti. (Fonte: Unesco/Sébastien Moriset)

4. As fachadas coloridas das casas Ndebele - África do Sul

Os Ndebele se concentram na província de Mpumalanga, nordeste do país. Sociedade poligâmica, a pintura das fachadas é de responsabilidade das esposas.

A cor se estende das casas às roupas e ornamentos. (Fonte: South Africa/Sifiso Ndlovu)

5. Grande Mesquita de Djeneé - Mali

É o maior edificio em adobe do mundo. Considerada por muitos o maior exemplo do estilo sudano-saheliano, foi declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

Inaugurada em 1907, a mesquita e as 200 casas históricas da cidade foram erguidas usando tecnologia que remonta ao século XIV. (Fonte: Flickr/Juan Manuel Garcia)

6. Museu da Núbia - Egito

Museu arqueológico em Aswan, é um projeto do arquiteto egípcio Mahmoud El-Hakim. Recebeu o Prêmio Aga Khan de Arquitetura em 2001.

O museu abriga os principais achados da campanha de resgate da Unesco realizada à época da construção da Barragem Alta, que acabou inundando toda a região. (Fonte: Enterprise Press/Zeina Abaza)

7. Centro de Interpretação Mapungubwe - África do Sul

Localizado no Parque Nacional Mapungubwe (considerado Patrimômio da Humanidade), o centro é um projeto do sul-africano Peter Rich.

Localizado na confluência dos rios Shashe e Limpopo, o centro marca a área onde as fronteiras da África do Sul, Botsuana e Zimbábue se encontram. (Fonte: Iwan Baan/Reprodução)

8. Villa Z - Marrocos

Em um terreno de apenas 15 metros quadrados, o arquiteto marroquino Mohammed Amine Siana ergueu uma das mais belas casas de Casablanca.

A Villa Z desdobra-se para dentro do terreno e acaba por se abrir em um espaço com piscina e pomar, dando as costas à rua e ao barulho (Fonte: ArchDaily/Doublespace)

9. Museu da Moeda - Angola

Construído na zona ribeirinha de Luanda, ao lado da sede do Banco Nacional de Angola, o museu subterrâneo é uma criação dos irmãos Costa Lopes.

Com cerca de 4 800 m², o museu foi construído embaixo da Praça Saidy Mingas, coração da baixa de Luanda. (Fonte: Costa Lopes/Fabrice Fouillet)

10. Escola Primária de Gando - Burkina Faso

Nascido na pobreza em Burkina Faso, Francis Kéré viajava 40 km até a escola, mal iluminada e sem ventilação. Já formado em arquitetura, ele voltou à sua cidade natal para erguer a Escola Primária de Gando, seu primeiro projeto.

Mundialmente famoso, Kéré agora desenha uma expansão da escola que foi seu primeiro projeto como arquiteto (Fonte: Kéré Architecture/Sime´on Duchoud)