Segundo relatório da Atlas Report, um vasto território de um cemitério viking foi descoberto por pesquisadores na região norueguesa de Vinjeøra. Contrariando boa parte das lendas e histórias das tribos escandinavas, os vestígios encontrados pelas equipes arqueológicas indicaram que corpos de animais e cidadãos eram enterrados, não simplesmente enviados em piras marítimas para o oceano, como visto nas narrativas tradicionais.

Localizado próximo a uma fazenda viking, o sítio foi encontrado com uma boa quantidade de barcos enterrados, prática comum entre as tribos locais para sepultar os corpos, usando as embarcações como uma espécie de caixão. "Nós não temos evidências de piras de funerais vikings pela água. Eu honestamente não sei de onde essa concepção derivou, mas deve ser considerada como um mito moderno", disse Raymoud Sauvage, da Universidade de Ciência e Tecnologia da Noruega. "A prática de funerais comuns acontece quando pessoas estão enterradas em montes fúnebres".

Vista aérea de casa mortuária da era Viking. (Fonte: Raymoud Sauvage/Divulgação)

Entre os montes, foram encontradas cerca de 20 tumbas, incluindo uma que merece atenção especial. O local continha uma "casa mortuária" com um corpo. Pesquisadores acreditam que, por seu método único e de destaque de alocação do defunto, o encontrado era alguém importante em hierarquia ou história, como um chefe de guerra ou líder de família. "Tumbas maiores eram reservadas para pessoas com altos status, como chefes e guerreiros experientes", disse Sauvage, "e alguns deles podem ser importantes sinais de manifestações de poder".

"Não há registro escrito sobre essa área nesse período, então a arqueologia é a única coisa que nós podemos utilizar para ajudar a entender a história da era Viking nessa área em particular". Conclui Sauvage, citando a importância da expedição e da continuidade dos estudos da área, que poderá, definitivamente, trazer mais respostas e entendimentos sobre as tribos escandinavas.