Embora os buracos que, eventualmente, acabam surgindo pelas ruas da cidade sejam no mínimo classificados como um problema a ser solucionado pelo serviço público, o artista Jim Bachor, que vive em Chicago, os transforma em arte. Ao ver um buraco por aí, Bachor se concentra em desenhar um mosaico bem criativo no lugar do que antes parecia ruim.

O artista, no entanto, admite que nem sempre isso foi uma tarefa fácil, já que construir seus mosaicos ao ar livre era bem diferente de produzi-los em seu ateliê. Um dos pontos fundamentais para isso ser possível era a sua própria segurança, já que ele estava no meio da rua. Contudo, alguns cones ajudaram a direcionar o tráfego dos veículos enquanto a produção da obra de arte ocorria. Além disso, os cones de trânsito ajudam no processo de descanso do mosaico.

“O primeiro passo [para produzir os mosaicos] leva cerca de uma hora e meia para instalá-lo, colocar a arte. Depois, protejo-o com cones de trânsito ou talvez uma lona, dependendo do clima. Depois volto 8 a 10 horas depois, para fazer uma limpeza final no concreto com escovas de metal e tiro fotos para documentá-lo”, afirmou Jim Bachor sobre o seu processo criativo e artístico.

Referências medievais

A inspiração de Jim vem direto da Itália, na antiga cidade da Pompéia, local onde a arte dos mosaicos foi já bastante apreciada. Por lá, o artista aprendeu muito sobre como esses embutidos de peças se tornavam duráveis a longo prazo. Uma obra encontrada em um museu local, de 2 mil anos de idade, ainda estava intacta depois de tanto tempo.

Com esse poder de permanência da obra, Jim acabou voltando ao país meses mais tarde para aprender todas as técnicas e segredos dessa forma antiga de se fazer mosaicos. Por muitos anos, isso foi seguido como um hobby por ele. No entanto, quando viu uma rua esburacada em seu bairro, no ano de 2013, teve a ideia de consertá-lo com a arte que havia aprendido na Europa.

“Havia um buraco na frente da nossa casa que era tão teimoso que nunca conseguiram consertar. Colocavam asfalto sobre ele, mas ele voltava. Com o tempo, percebi que eu tinha essa paixão por essa forma de arte que é tão durável e permanente e eu tinha um buraco na frente da minha casa que não tapado. Então, o que eu fiz foi criar uma obra de arte personalizada para ele”, explicou Bachor em entrevista ao site The Chicago Ambassador.

O artista começou em sua vizinhança, mas teve seu trabalho reconhecido por outras áreas e a espalhou para o resto da cidade. Alguns mosaicos, inclusive, traziam até mesmo mensagens políticas. Afinal de contas, a arte também é tudo isso.