Quando pensamos em “pinturas”, normalmente associamos essa arte com o uso de pincéis e tinta, não é mesmo? Contudo, muitos artistas não se limitam apenas a usar os materiais e técnicas convencionais às quais estamos habituados, e inclusive já mostramos aqui no Mega Curioso diversos exemplos interessantes de profissionais inovadores e suas obras surpreendentes.

Pois Diego R., um de nossos leitores, nos enviou uma interessante dica sobre um talentoso artista que também dispensa o uso de tintas para criar pinturas simplesmente deslumbrantes. Seu nome é Steve Spazuk, e ele se dedica a criar belos desenhos com o emprego de chamas e fuligem.

Spazuk é de origem franco-canadense e há mais de uma década vem se aperfeiçoando no uso de uma técnica conhecida como fumage na qual uma chama — geralmente de uma vela ou lâmpada de querosene — é utilizada para escurecer uma tela ou folha de papel. Confira Spazuk criando alguns desenhos no vídeo a seguir:

Como você acabou de ver, para criar suas obras, Spazuk aproxima o fogo ao papel para que a fuligem vá criando padrões e, dependendo do que vai aparecendo, o artista trabalha com ferramentas como penas, faquinhas X-Acto e pincéis para meticulosamente apagar e “arranhar” detalhes que darão forma aos seus desenhos.

Segundo contou ao pessoal do site Bored Panda, Spazuk teve a ideia de começar a pintar com chamas e fuligem depois de um sonho que teve durante o qual ele se lembra de estar observando uma paisagem em preto e branco em uma galeria. O artista disse que no sonho ele sabia exatamente como o desenho havia sido criado e que no dia seguinte começou a fazer experimentos.

A primeira tentativa não deu muito certo, pois o papel que Spazuk usou era fino demais e pegou fogo. Mas depois que o artista começou a empregar papeis mais adequados e a controlar os incêndios, ele nunca mais parou. Não deixe de visitar o site de Spazuk para conhecer melhor seu trabalho — nem de conferir uma pequena seleção de sua autoria na galeria a seguir:

***

Nós da equipe de redação do Mega Curioso gostaríamos de agradecer a Diego R. pela sugestão de pauta! E você, caro leitor, o que achou dos trabalhos do artista?