De acordo com o Daily Mail, um estudo publicado por pesquisadores do Centro de Astrobiologia de Madri, na Espanha, revelou que a Suécia foi palco de uma das maiores trombadas cósmicas da história do Sistema Solar. A catástrofe teria ocorrido há 458 milhões de anos, e envolveu o impacto não de um, mas de dois asteroides que viajavam juntos pelo espaço!

Segundo o Daily Mail, alguns especialistas especulam que as consequências desse impacto foram dramáticas para os ecossistemas e o clima da Terra, culminando, mais tarde, em uma explosão de biodiversidade no período Ordoviciano.

Colisão dupla

De acordo com os cientistas responsáveis pelo estudo, o impacto ocorreu como resultado de uma gigantesca colisão que ocorreu no cinturão de asteroides localizado entre as órbitas de Marte e Júpiter, isso 12 milhões de anos antes do impacto aqui na Terra. Durante esse evento, um asteroide de 200 quilômetros se rompeu, espalhando grandes pedaços de seu corpo pelo Sistema Solar.

Eventualmente, dois desses fragmentos cruzaram o caminho com a órbita terrestre, atingindo uma região na Escandinávia que, na época, ficava submersa sob uma camada rasa de mar. Conforme explicaram, o impacto duplo provocou a formação da cratera Lockne — com 7,5 quilômetros de diâmetro — e da cratera Malingen (com 700 metros), localizadas a apenas 16 quilômetros de distância uma da outra.

Viagem acompanhada

As duas formações se encontram na região central da Suécia, e a equipe de pesquisadores, além de mapear o anel de destroços formado pela pancada, fez algumas perfurações nas crateras para analisar os sedimentos e as alterações resultantes do impacto. De acordo com o estudo, a cratera Lockne foi criada por um objeto com 600 metros de diâmetro, enquanto a Malingen foi formada pelo impacto de um asteroide menor, com cerca de 150 metros.

Segundo informações da NASA, aproximadamente 15% de todos os asteroides viajam “acompanhados” pelo Universo. No entanto, crateras provocadas por impactos duplos são muito raras aqui na Terra. Das 188 conhecidas, os cientistas acreditam que apenas 10 — localizadas na Alemanha, Finlândia, Brasil, Rússia e Canadá — foram criadas pelo impacto de asteroides que viajavam juntos.