(Fonte da imagem: Thinkstock)

Cada ser vivo que habita o nosso planeta — do mais complexo ao mais simples — possui um determinado ciclo de vida. Esse ciclo define a duração da vida, e a única certeza que temos é que, eventualmente, tudo o que está vivo vai acabar morrendo um dia. Entretanto, de acordo com o site npr, a ciência conseguiu descobrir um padrão que nos permite saber por quanto tempo os seres vivos vão sobreviver.

Segundo a publicação, tudo se resume à matemática, e os cientistas observaram um mesmo padrão que se repete com extraordinária frequência em todos os organismos vivos. E mais: esse fenômeno está intimamente relacionado ao tamanho das criaturas. Em outras palavras, seres pequenos morrem antes do que os grandes, portanto, uma mosca morrerá antes do que uma pantera, e uma pantera morrerá antes do que uma sequoia. Parece óbvio, não é mesmo?

Assim, de acordo com o artigo, existe uma simples fórmula matemática que, com um grau bem pequeno de variação, permite determinar com assustadora precisão por quanto tempo um organismo — qualquer organismo de qualquer taxonomia, de insetos a humanos, passando por economias e até mesmo sociedades inteiras —, vai sobreviver!

Fórmula da vida

(Fonte da imagem: Reprodução/WordPress )

A tal conta funciona assim: considere a massa de um organismo vivo qualquer — de uma árvore ou de um animal, por exemplo. Sua taxa metabólica será equivalente à massa levada a uma lei de potência — um tipo especial de relação matemática entre duas quantidades — de três quartos. Isso significa que a lei de potência possui um expoente, e esse expoente sempre será múltiplo de um quarto. No fim das contas, tudo se resume ao tamanho (ou massa) e a esse múltiplo.

Todos os seres vivos são governados por um sistema matemático que determina a duração da vida em todas as escalas, e o tamanho desses seres é a chave para prever suas expectativas de vida. A fórmula não só se aplica às criaturas vivas, como também às células que formam essas criaturas, servindo para estabelecer um limite para a vida mesmo que elas tenham diferentes tamanhos. É tudo uma questão de escala.

Quanto maior...

(Fonte da imagem: Reprodução/npr)

Então, por exemplo, o coração de um animal bate cerca de 1,5 bilhão de vezes durante o seu ciclo de vida. O coração de um beija-flor bate muito mais rápido do que o de um elefante. Portanto, depois que esse órgão bater o número de vezes que deve bater, ele vai acabar parando. Infelizmente, isso vai ocorrer muito antes para o beija-flor do que para o elefante.

Entretanto, vale lembrar que, apesar de ser um sistema extremamente preciso, a fórmula matemática determina a expectativa de vida de seres em geral. Assim, ela pode revelar quantos anos os cães podem viver, mas não necessariamente quantos anos o seu cãozinho de estimação poderá chegar a ter. Quando avaliamos indivíduos específicos, existem outras variáveis — como influências do ambiente, estilo de vida, sorte etc. — que devem ser consideradas também.