Um recente estudo israelense feito pela Universidade de Tel Aviv mostrou que algumas espécies de insetos não são gays, apesar de terem esse comportamento em grande parte do tempo. Segundo os cientistas, elas apenas se confundem na hora de se acasalar.

De acordo com um artigo do Science Daily, no qual a pesquisa foi divulgada, muitas espécies de insetos e aranhas se envolvem em um comportamento homossexual, como cortejar e tentar acasalar com membros do mesmo sexo — o que pode ser perigoso em alguns casos, além de não alcançar a meta da procriação. Porém, ainda não estava clara qual era a causa desse comportamento e sua importância para a evolução das espécies.

Agora, o Dr. Inon Scharf, do Departamento de Zoologia da Universidade de Tel Aviv, e Dr. Oliver Martin, do instituto suíço ETH Zurique, descobriram que o comportamento homossexual em insetos é provavelmente acidental, na maioria dos casos.

Eles explicaram que, na pressa (e no calor do desejo) em produzir descendentes, os insetos não têm muito tempo para inspecionar o sexo de seus companheiros, o que leva ao contato sexual com membros do mesmo gênero, porém não resulta em procriação. Esse processo também pode ser muito perigoso, pois pode encurtar a vida dos machos devido aos riscos que eles correm.

“Insetos e aranhas são rápidos para acasalar. O custo de gastar o tempo para identificar o sexo dos companheiros ou de hesitação parecem ser maiores do que o custo de cometer alguns erros”, observa Dr. Scharf.

Riscos ou benefícios?

De acordo com algumas pesquisas com aves e mamíferos, o comportamento homossexual tem mostrado ser vantajoso do ponto de vista evolutivo. Ele fornece "prática" para adultos jovens e mantém alianças dentro de grupos.

Os cientistas têm estudado quais seriam as explicações para o comportamento semelhante em insetos, sugerindo que este poderia servir para se preparar para o namoro heterossexual, renovar os fluidos reprodutivos, desencorajar os predadores e distrair concorrentes.

Mas, nesse novo estudo, que avaliou 110 espécies de insetos e aranhas machos, os pesquisadores descobriram que as evidências disponíveis pouco suportam tais teorias adaptativas. Em geral, não há nenhum benefício claro para o comportamento homossexual em insetos. As consequências, por outro lado, podem ser consideráveis.

O acasalamento homossexual é pelo menos tão arriscado quanto o heterossexual (que também é perigoso em algumas espécies), podendo causar desperdício de tempo e de esperma, lesões e até a morte.

Mas os pesquisadores dizem que eles não se arriscam nessas relações gays por obter algum benefício, e sim porque os machos de algumas espécies realmente confundem outros machos com as fêmeas, cometendo um erro de identificação na hora de copular. Isso porque, para eles, mais vale ir direto ao assunto do que perder a oportunidade, mesmo sem saber o sexo do companheirinho.