O vídeo abaixo bem poderia ser utilizado em propagandas de repelentes de insetos. Quer dizer, você provavelmente já surpreendeu um desses pequenos vampiros alados antes ou depois de uma refeição cujo prato principal é o seu próprio sangue aquecido (sim, isso se parece com um roteiro de filme B). Mas ao olhar de perto... a coisa realmente ganha outros contornos, hein?

Ok, vá lá que o mosquito da sequência parece capaz de abater um pato em pleno voo, dadas as proporções. Mas o princípio deve ser sempre o mesmo: o pequeno bastardo utiliza a saliva para anestesiar o local (afinal, ele não quer chamar a sua atenção) e, por fim, insere a sua “pequena” agulha retrátil (probóscide), iniciando o festim.

Bem, e a coceira? Na verdade, isso tem pouco a ver com o inseto. Acontece que os componentes da saliva do animal provocam a reação do sistema imunológico, o qual envia as células “sentinelas” chamadas de mastócitos para o local. São essas, de fato, que liberam a histamina, a qual provoca a coceira.

Quando isso ocorre, entretanto, o mosquito, já com a pança devidamente “forrada”, deve estar bem longe — embora um dos sujeitos do vídeo acima não tenha tido essa sorte, graças ao tapa bem dado do masoquista que registrou a picada.