Você já conferiu aqui no Mega Curioso alguns dos cogumelos mais bizarros do planeta. Agora, temos mais alguns para lhe apresentar. Além das aparências estranhas e peculiares, esses fungos também guardam outras características muito interessantes que podem deixá-los até bonitos. Confira abaixo.

1 – Cogumelo “bola inflável” (Calvatia Gigantea)

Existem algumas variedades de cogumelos “bola inflável”, que pertencem à divisão Basidiomycota e cada um deles têm as suas próprias características únicas.

Mas o que todos eles têm em comum é que eles não crescem uma tampa aberta abas de esporos, mas os esporos são cultivados internamente e o cogumelo desenvolve uma abertura ou se abre para liberá-los.

Além de sua aparência geral, eles são chamados assim por causa das nuvens de esporos que soltam quando eles se abrem ou são atingidos com um impacto de gotas de chuva caindo. No caso do Calvatia gigantea, ele é facilmente reconhecido pelo seu tamanho e forma, sendo que alguns exemplares têm aproximadamente o tamanho de uma bola de futebol.

2 – Gaiola-das-bruxas (Clathrus ruber)

Este cogumelo é conhecido como clatro-vermelho, gaiola-de-bruxa ou lanterna-das-bruxas. O Clathrus ruber  alimenta-se da decomposição de matéria orgânica de plantas lenhosas e geralmente é encontrada em montes restos de material na floresta, sobre o solo do jardim, lugares com gramíneas ou lascas de madeira.

Se você o achou até bonito a ponto de pensar em colocá-lo em uma receita de risoto, é melhor desistir da ideia, pois esse cogumelo tem um odor bastante ruim.

3 – Ametista Enganador (Laccaria amethystina)

O Laccaria amethystina, conhecido como Ametista Enganador, é um pequeno cogumelo comestível de tom roxo, que cresce nas florestas de coníferas e caducifólias da América do Norte, Central e América do Sul, Europa e Ásia.

Devido a sua coloração cor de ametista diminuir com a idade e com o desgaste do tempo, torna-se difícil de identificá-lo, daí o nome de "Enganador".  Embora seja considerado comestível, talvez não seja uma boa ideia, pois alguns poluentes do solo podem se acumular no fungo.

4 – Cogumelo véu-de-noiva (Phallus indusiatus)

Além de estranho, esse cogumelo é muito gracioso, pois lembra o véu de uma noiva. Na verdade, o que confere essa característica a esse fungo é uma aba cônica em forma de sino em uma haste de onde sai uma delicada “saia” rendada, que quase chega até o chão.

Descrita pela primeira vez cientificamente em 1798 pelo botânico francês Étienne Pierre Ventenat, a espécie pode ser encontrada em jardins e bosques no sul da Ásia, África, Américas e Austrália, sendo comestível e muito utilizada na cozinha chinesa.

5 – Mycena chlorophos

Estes cogumelos com tons de neon que brilham no escuro são exemplares do Mycena chlorophos e surgem durante a estação chuvosa nas florestas brasileiras e japonesas, além da Polinésia, Java, Sri Lanka e Austrália, espalhando-se no solo com esporos brilhantes.

As bases de troncos de árvores, galhos e folhas caídas e solo úmido fornecem criadouros perfeitos para esses cogumelos. O brilho desses fungos fluorescentes é devido a bioluminescência, uma das reações mais incríveis que acontecem naturalmente em muitas plantas e animais.

6 – Céu-azul (Entoloma hochstetteri)

O Entoloma hochstetteri é uma espécie de cogumelo encontrada na Nova Zelândia e Índia. O pequeno fungo tem uma bela cor azul em toda a sua superfície, que é causada por três tipos de pigmentos azuleno.

Esse cogumelo não é comestível, mas a informação se ele é ou não venenoso é ainda desconhecida. Sua beleza foi tão reconhecida na Nova Zelândia, que esta espécie fez parte das ilustrações de uma série de selos emitidos no país em 2002, além de aparecer na parte de trás de uma cédula de 50 dólares neozelandeses em 1990.

7 – Cauda de peru (Trametes versicolor)

Este cogumelo comum é encontrado em todo o mundo e as suas formas de diversas abas e coloração lembram a cauda de um peru selvagem. As cores podem variar dependendo da localização e da idade do fungo, cariando entre tons de ferrugem, marrom, cinza e preto.

O “cauda de peru” é considerado um cogumelo medicinal, tanto que a sua utilização para o combate ao câncer está sendo debatida na comunidade médica.

8 – Charuto do Diabo (Chorioactis geaster)

Este é um cogumelo muito raro e encontrado somente em alguns locais do Texas e no Japão. No Texas, o corpo de frutificação cresce nas raízes mortas de cedro, enquanto no Japão cresce em carvalhos mortos.

Os cientistas não sabem por que o fungo misteriosamente só vive no Texas e Japão, locais de aproximadamente a mesma latitude, mas separados por 11,000 km. O biólogo Fred Jay Seaver comentou: "este é apenas mais um exemplo da distribuição anormal e imprevisível de muitas espécies de fungos”.

*Publicado em 18/09/2014