Os membracídeos podem ser considerados como a mais bizarra família de insetos, tendo evoluído para uma enorme variedade de formas: alguns com chifres, cabeças curvadas, espinhos, outros que parecem que têm formigas em suas costas e ainda aqueles que parecem que tiveram o corpo invadido por algum outro inseto que está prestes a irromper como um alien.

E essa família Membracidae é bem grande, sendo composta por cerca de 3.200 espécies distribuídas em cerca de 600 gêneros. Por aqui, são conhecidos vulgarmente como soldadinhos ou viuvinhas. Geralmente, eles apresentam o pronoto (parte dorsal do protórax) altamente modificado, que é o que faz deles bichos de aparência tão curiosa.

O esquisitão da foto acima, por exemplo, é dotado de um pronoto que se estende quase em forma de “C”. O interessante é que os cientistas não sabem exatamente por que (e para que) esses tipos de “acessórios” evoluíram nesses insetos.

"Essa é realmente uma grande questão que nós ainda não resolvemos. É uma espécie interessante. Alguns são tão estranhos em sua forma, que você olha para ele e diz: 'como eles poderiam sobreviver assim?’”,  disse o entomologista Matthew Wallace, da University of East Stroudsburg, na Pensilvânia ao Wired.

Evolução e adaptação

Mas é claro que algum motivo existe para eles evoluírem com essas formas, porém em uma questão de adaptação. Aqueles que melhor se adaptaram aos seus ambientes passaram por cima de seus genes para serem “moldados” beneficamente em seus corpos.

No entanto, de acordo com o artigo da Wired, cientistas como Matthew Wallace estão tentando juntar as peças de como exatamente esses pronotos estão ajudando os membracídeos a sobreviverem.

O que eles sabem, evidentemente, é que diferentes espécies dos membracídeos provavelmente adotaram estratégias também distintas com esses chifres, espinhos e alongamentos do corpo, para camuflagem, mimetismo e defesa.

E um dos mais estranhos bichinhos dessa família é esse da imagem logo abaixo, do gênero tropical Bocydium. O que ele tem sobre o corpo parece um fungo, chamado Ophiocordyceps, que se aloja na cabeça das formigas, tomando controle delas. Depois, esse fungo mata a sua hospedeira e emerge em seu dorso com bolas e um tipo de chifre.

Alguns cientistas acreditam que esse membracídeo possa ter evoluído para imitar a estrutura fúngica que ocorre nessas formigas, bem como outros insetos que atacam, de modo que não parecesse muito apetitoso aos predadores. De qualquer forma, mesmo que um predador faminto dê uma mordidinha, a estrutura do inseto pode romper em sua boca, mas deixando-o ileso e apenas menos pesado.

De acordo com o artigo da Wired, existem outras espécies da família Membracidae que parecem imitar formigas sem aqueles fungos que falamos acima — aquelas que são mais do que capazes de se defender com picadas e mordidas doloridas, coisa que os membracídeos não fazem.

Outras características

O aspecto curioso e estranho desses insetos tem constantemente atraído pesquisadores entomológicos. Os diversos padrões morfológicos, comportamentais, ecológicos e de distribuição entre os membracídeos os torna como um grupo ideal para explorar as relações evolutivas e as conexões entre forma, função, genética e o meio ambiente.

Dessa forma, o uso dos integrantes da família Membracidae como organismos modelos em biologia evolutiva é cada vez maior. Em outras características gerais, os membracídeos têm uma série incomum de comportamentos e interações ecológicas.

Por exemplo, eles são capazes de produzir um tipo de música vibracional transmitida através de suas plantas hospedeiras, podendo comunicar alertas e sinais de cortejo para outros insetos.

Além disso, como um subproduto da ingestão de grandes quantidades de seiva da planta (floema), esses bichos secretam uma substância açucarada chamada "melada", que serve de alimento para uma variedade de formigas oportunistas, abelhas e vespas. Confira na galeria abaixo mais algumas imagens desses insetos bizarros: