Hoje em dia, com o avanço da medicina, é muitíssimo improvável que você seja enterrado vivo. Porém, isso era relativamente comum no passado, dando origem à tafofobia, que é o medo irracional de que isso aconteça. Timothy Clark Smith, que morreu em New Haven, nos EUA, em 1893, sofria desse mal e criou um túmulo com janela!

Sua tumba é em formato quadrilátero, com uma janela de 14 polegadas de vidro no topo. Na época em que ele foi enterrado, era possível ver o seu rosto em decomposição. Hoje em dia, 124 anos depois, a janela está bastante escurecida e é possível ver gotículas resultantes da condensação da água no vidro. Já o interior da cova está bastante escurecido.

Smith era médico, diplomata e viajante. Ao estudar medicina, ele acabou desenvolvendo o medo de ser enterrado vivo. Alguns estados de coma podem dar a impressão de que a pessoa morreu, e muita gente deve ter sido enterrada ainda com vida por conta disso. A fobia de Smith tinha justificativa, por isso ele desenhou o próprio túmulo para que em caso de erro ele pudesse ser desenterrado a tempo.

Túmulo com janela está localizado em uma pequena colina no cemitério Evergreen, em New Haven, no estado de Vermont

Caixões de segurança

Entre os séculos 18 e 19, muitas pessoas desenvolveram “caixões de segurança”: objetos que poderiam conter uma rota de fuga caso a pessoa acordasse enterrada ou que permitissem que ela avisasse o coveiro que estava vivona. Apesar de muitos caixões desse tipo terem surgido, não existe o registro de ninguém que foi salvo por eles.

Entre os modelos, existia um caixão em que o não-morto poderia empurrar uma bandeirinha para fora do túmulo e mostrar que estava vivo e também caixões com compartimentos para água e bebida. Curiosamente, a maioria desses projetos não incluía um tubo de ventilação para que o oxigênio não acabasse dentro do caixão. Que vacilo, hein?

Além da janela de vidro em seu túmulo, Timothy Smith foi enterrado com um sino para o caso de ele não estar realmente morto. E se você achou essa história macabra, saca só a data em que o cara bateu as botas: 31 de outubro de 1893, logo no Dia das Bruxas. Será que isso pode significar alguma coisa?

Hoje em dia, é difícil enxergar algo através do vidro