Uma mulher, que nasceu e cresceu na Tasmânia, surpreendeu a todos após um acidente de carro. Ela, que nunca foi à França, nem mesmo conviveu com franceses, passou a falar com sotaque francês devido a um traumatismo craniano.

O acidente foi há oito anos, mas Leanne Rowe ainda mantém o sotaque adquirido com uma síndrome bastante rara, conhecida como síndrome do sotaque estrangeiro. Especialistas acreditam que existam menos de 20 pessoas em todo o mundo com o problema (apenas duas na Austrália). São somente 62 casos registrados na história, sendo o primeiro observado em 1907.

Segundo pesquisadores, a síndrome ocorre quando algum dano cerebral afeta a região que comanda a fala. Desde que adquiriu o sotaque, Rowe deixou de falar em público e sua filha passou a falar por ela. Ela diz que a situação não é nada confortável. “Isso me deixa irritada, pois sou australiana. Não tenho nada contra franceses, mas não sou francesa”.

Para a filha dela, embora a situação seja bastante curiosa e engraçada, a síndrome afetou consideravelmente o dia a dia de sua mãe. “As pessoas observam isso pelo lado engraçado, e não posso negar que seja interessante, mas isso teve um grande impacto negativo na vida da minha mãe”.