Você conhece alguém chato que deveria ser trolado para ver se aprende a não ser mais irritante? De repente um tio ou um parente qualquer que adora uma festinha com karaokê, por exemplo, e não sai de perto do microfone, achando que sabe cantar…

Bem, um homem e sua filha de 8 anos criaram um presente que pode ser a chance de pregar uma peça nessas pessoas. Imagine um urso de pelúcia diferente, que cante “Parabéns pra você” assim que sua mão seja pressionada, mas que só pare quando você o destruir ou após longas 3 horas e meia de cantoria.

Essa foi a criação de Mikayla Wilson e seu pai, Cornelius Malcolm Wilson. Os dois tiveram a ideia de fazer o brinquedo para pregar uma peça naquelas pessoas que, segundo Cornelius, não param de cantar e merecem cair em uma pegadinha.

Tudo partiu do senso de humor dos Wilsons, em um trabalho que durou dois anos para ser concluído. O intuito era fazer com que o urso cantasse pelo maior tempo possível até que sua bateria acabasse (isso, se ninguém o destruir antes).

O resultado você pode conferir no vídeo no topo da matéria que mostra bem como o brinquedo funciona. Se tiver disposição para aguentar 3 horas e meia de um irritante “Happy Birthday to You”, você vai conseguir assistir inteiro.

Oportunidade de negócio

Uma ideia que surgiu como uma brincadeira pode se tornar um negócio. A versão final do ursinho de pelúcia irritante foi utilizada para iniciar uma campanha no Kickstarter, um site que incentiva angariação de fundos para projetos. De acordo com a explicação de Cornelius no site, a ideia é ensinar a filha Mikayla sobre o mundo dos negócios. “Vai ser um aprendizado para ela (...) eu comecei a mexer com os negócios quando estava no ensino fundamental. Por que ela também não pode?”, questiona o pai.

E parece ter sido um bom começo. Mesmo sem ser lançado ainda (a produção começa oficialmente no final de novembro), o produto já tem mais de 240 apoiadores. Além da versão de aniversário, há também o ursinho de pelúcia com o tema natalino que canta músicas de Natal e Ano-Novo até “morrer”.