ParPerfeito, maior site de relacionamento do Brasil, realizou uma pesquisa com 1,5 mil entrevistados, divididos por faixas etárias, para entender alguns fatores envolvidos na guerra dos sexos. Para fomentar a discussão sobre a relação de homens e mulheres no âmbito profissional, o estudo buscou entender o que eles acham se ela ganhar mais do que ele e o que eles acham se a situação for ao contrário.

A maioria das mulheres considera essa situação ótima, pois mostra que ele é bem-sucedido. Porém, em algumas faixas etárias (entre 21 e 29 anos e entre 40 e 49 anos), elas tendem a achar isso injusto, pois entendem que a capacidade delas é maior do que a deles. E o que os cuecas acham disso? Para eles, é ótimo e não há recalque nenhum! Em todas as faixas etárias, os homens entrevistados afirmaram que essa situação demonstra que a mulher em questão é bem-sucedida.

Ao que tudo indica, mulheres e homens estão cada vez mais se entendendo e a tal “guerra dos sexos” já nem existe mais. No entanto, sempre há atitudes delas que os irritam, como ao contrário também é verdadeiro. Então, a pesquisa quis saber: “O que mais as irrita em homens no ambiente de trabalho? ”. A resposta da maioria delas foi: quando eles menosprezam a sua capacidade pelo fato de ser mulher. Porém, as mulheres entre 18 e 29 anos acham que o pior é quando eles dão em cima de todas as mulheres da empresa porque se acham o "garanhão”.

Colocando tudo em pratos limpos

E eles? O que mais os irritam em mulheres no ambiente de trabalho? Os marmanjos ficaram divididos e as faixas etárias entre 18 e 20 anos, 40 e 49 anos, 50 e 59 anos e 60 e 69 anos odeiam quando elas usam do seu poder de sedução para conseguir o que querem. Já os homens entre 21 e 29 anos, 30 e 39 anos e acima dos 70 anos se irritam quando elas se fazem de vítimas por serem mulheres.

Por fim, a pesquisa buscou entender se eles e elas estão alinhados no que diz respeito ao que procuram para suas vidas. A resposta revela que sim: homens e mulheres, de todas as faixas etárias, buscam, principalmente, qualidade de vida. Para ambos, dinheiro e poder ficam em segundo plano.

“Cada dia mais há a compreensão na convivência no âmbito profissional entre homens e mulheres. Ambos os sexos reconhecem que agem diferente e que as competências e as atitudes não são coisas que estão relacionadas ao sexo, mas sim como cada um pensa”, analisa Clarissa Assumpção, diretora de marketing do Match Group LatAm, empresa detentora da marca ParPerfeito. “Há menos diferenças, e não há mais aquela história de que homem tem que ganhar mais do que mulher. O mercado tem cada vez mais reconhecimento da igualdade dos gêneros”, explica.

Confira no link os resultados completos da pesquisa realizada pelo ParPerfeito: http://www.singcomunica.com.br/pesquisa-indica-avanco-na-igualdade-nos-sexos/

*Assessoria