Nós do Mega Curioso já falamos um bocado a respeito de Marte por aqui — nosso vizinho, também conhecido pelo apelido carinhoso de Planeta Vermelho. Pois, apesar de a Terra contar com uma geologia exuberante e montanhas superaltas, como é o caso do Monte Everest, com seus mais de 8,8 mil metros de altitude, isso não é nada comparado com as formações que existem na superfície marciana!

Monte Olimpo

Afinal, caso você não saiba, é lá que está localizada a montanha mais alta do Sistema Solar, o Monte Olimpo, que tem cerca de 27 quilômetros de altura e 600 km de diâmetro. Mas, como é possível que Marte conte com montanhas tão gigantescas — e que, por comparação, fazem as da Terra parecerem miniaturas?

Na verdade, conforme explicou o professor de Ciências da Terra Dave Consiglio, em um post no site Quora, são vários os fatores que contribuem para que o Planeta Vermelho apresente essas feições.

Combinação de fatores

Um deles é o fato de, no passado, Marte (até onde se sabe) não ter contado com placas tectônicas — se elas existiram, não foram muitas! —, o que significa que o calor presente no interior do Planeta Vermelho teria apenas alguns pontos para “escapar” para a superfície. Aqui na Terra, como você sabe, há movimentação de placas tectônicas e milhares de vulcões e fendas pelos quais a pressão das entranhas do nosso mundo é liberada.

Monte Arsia, outro vulcão extinto de Marte

Pois os cientistas sabem que existiram vulcões em Marte, como é o caso do Monte Olimpo, por exemplo, que nada mais é do que um imenso vulcão extinto que esteve ativo há bilhões de anos. Isso nos leva a outro fator, relacionado com a gravidade no Planeta Vermelho. Por ser mais fraca do que a da Terra, ela permitiu que vulcões se tornassem cada vez mais altos, graças ao acúmulo do enorme volume de lava que eles iam expelindo.

Ademais, como a erosão em Marte é incrivelmente baixa, os vulcões não sofreram muito desgaste com o passar do tempo, o que permitiu que eles permanecessem altos. Assim, basicamente, o Planeta Vermelho conta com montanhas imensas por causa da limitada quantidade de erupções vulcânicas (certamente descomunais) que ocorreram em um ambiente de baixa gravidade e pouca erosão.