O complexo templo religioso de Angkor Wat, situado no Camboja, possui uma história milenar: ele começou a ser construído por volta do século XII, pelo rei Suryavarman II, do Império Khmer e é dedicado ao deus hindu Vishnu. No final do século XVI, ele foi completamente abandonado, sendo redescoberto pelos ocidentais cerca de 300 anos depois. Em 1992, ele foi declarado Patrimônio da Humanidade, pela UNESCO.

Agora que virou uma das principais atrações turísticas do Camboja, Angkor Wat passou a ser palco de diversos estudos de historiadores. Há alguns anos, foi encontrada uma antiga cidade com mais de 1,2 mil anos na região. Desta vez, uma grande estátua humana foi achada no próprio templo, enterrada a meros 10 centímetros de profundidade.

Estátua possui de 30 a 40 centímetros a mais do que a estatura média de um homem cambojano atual

A imagem possui aproximadamente 1,90 m de altura e ficava na entrada de um dos locais considerados hospital em Angkor Wat. A descoberta é fascinante porque vários itens milenares foram saqueados do templo ao longo dos séculos. Infelizmente, a estátua perdeu os dois pés e parte das pernas, mas mostra um trabalho minucioso de decoração e escultura em arenito.

“O reinado de Jayavarman VII [sucessor de Suryavarman II] foi realmente notável em termos de programas sociais. O hospital consistia em edifícios de madeira e em uma capela erguida em pedras, que é a única que resta, já que as estruturas de madeira desapareceram há muito tempo”, explica Im Sokrithy, um dos líderes da expedição e especialista no complexo de Angkor.

O templo possuía pelo menos quatro hospitais, sendo que eles estão alinhados com os pontos cardeais. E apesar de sabermos de sua existência há mais de 100 anos, apenas agora eles começaram a ser escavados, na tentativa de entender como a antiga medicina asiática funcionava.

Descoberta aconteceu no dia 30 de julho