Se você acompanha os vídeos de bichinhos fofos que viralizam na internet, então é possível que você tenha visto um que mostra um macaquinho sentado feito um verdadeiro cavalheiro enquanto tem os cabelos cortados por um humano. Você não viu? Não tem problema! Você pode conferir o clipe ao qual nos referimos a seguir:

Então! Não é impressionante como o primata permanece quietinho e todo relaxado enquanto estão dando um trato no visual dele? E a fofura do bicho? Na verdade, o macaco do vídeo se comporta melhor do que muitos marmanjos que vão ao cabeleireiro! Entretanto, embora o bichinho seja superfofo, coisa e tal, Peter Hess, do site Inverse, foi conversar com um pesquisador que trabalha com primatas para saber o que realmente está rolando no clipe.

Nem tudo é o que parece

O especialista em questão é um especialista em psicologia e neurociência chamado Stuart Watson e, segundo ele, a situação que vemos no vídeo não é normal e muito menos aceitável para um primata. Portanto, é pouco provável que o macaquinho esteja vivendo uma vida muito feliz.

Macaco tendo o cabelo cortado (Know Your Meme)

Stuart disse ainda que só de ver as imagens não é possível afirmar se o animal se encontra preso sob o tecido, por exemplo. Além disso, não dá para dizer se ele está calmo desse jeito porque foi sedado, se foi castigado em ocasiões anteriores e aprendeu que deve permanecer quieto, ou se ele está confundindo a sensação do pente passando em sua cabecinha com a “catação”, comportamento social comum entre animais no qual um mexe na pele ou pelagem do outro em busca de bichinhos e parasitas.

O especialista explicou que, apesar de muita gente gostar da ideia de manter primatas como animais de estimação, para tê-los em cativeiro, é importante ter em mente que é necessário oferecer a esses animais todo o suporte físico e psicológico eles precisam para viver bem. Esses animais são inteligentes e altamente sociais e, portanto, precisam da estrutura certa — pense nos locais adaptados para macacos que vemos em santuários e zoológicos sérios.

Manter um animal desses em casa, como bicho de estimação e longe de seu grupo é um ato de crueldade, por mais que ele seja tratado incrivelmente bem. Outro problema apontado pelo especialista é que vídeos “fofos” como esse que você viu, além de passarem a ideia (errada) de que o bichinho está melhor com humanos do que em seu habitat, podem despertar o interesse com relação a esses bichos e levar pessoas a querer adotar um exemplar.