Parece que os arqueólogos resolveram se unir em uma “força-tarefa” no Egito, pois, ultimamente, foram descobertas uma porção de coisas por lá, como as ruínas de uma pirâmide “perdida”, a possível tumba da esposa do faraó Tutankhamon, uma enorme câmara oculta na Grande Pirâmide de Gizé, um templo perdido dedicado a Ramsés II e inclusive tumbas de milhares de anos ainda contendo seus ocupantes e inúmeros artefatos — e essas são apenas alguns dos achados registrados durante o ano passado!

Tumba descoberta no Egito(National Geographic/Amr Abdallah Dalsh/Reuters)

E não é que anunciaram a descoberta de outra tumba nas proximidades da necrópole de Giza! De acordo com Owen Jarus, do site Live Science, o Ministério de Antiguidades do Egito anunciou que um time de arqueólogos encontrou uma sepultura de aproximadamente 4,3 mil anos e que pertenceu a uma poderosa mulher chamada Hetpet.

Descoberta

Infelizmente, a equipe que descobriu a tumba concluiu que eles não foram os primeiros a chegar no local e que o sítio foi alvo de saqueadores, uma vez que a múmia de Hetpet, bem como sua estátua, parecem ter sido roubadas na Antiguidade. Por outro lado, as pinturas e hieróglifos gravados nas paredes da sepultura foram preservados por todo esse tempo — e foi a partir de sua análise que os arqueólogos conseguiram decifrar várias informações sobre a antiga ocupante da tumba.

Interior de tumba egípcia(National Geographic/Mohamed El-Shahed/AFP/Getty Images)

Segundo Owen, os cientistas descobriram que Hetpet era uma espécie de oficial sênior no palácio real, e no interior da tumba foi encontrado um altar contendo uma pia de purificação e vários locais destinados à queima de incenso e à colocação de oferendas. É nesse lugar que os arqueólogos acreditam que a estátua que foi roubada se encontrava.

Interior de tumba egípcia(National Geographic/Mohamed El-Shahed/AFP/Getty Images)

Com relação aos hieróglifos e desenhos encontrados nas paredes, elas se encontram em surpreendente bom estado e mostram cenas de Hetpet em diferentes situações, como caçando, pescando e sentada à mesa recebendo oferendas de suas crianças. As paredes também contam com ilustrações onde é possível ver apresentações de música e dança, barcos feitos de papiro, metais sendo derretidos e operários trabalhando na produção de couro.

Entrada de tumba egípcia(National Geographic/Amr Abdallah Dalsh/Reuters)

Voltando ao assunto da “força-tarefa”, junto com o anúncio da descoberta da tumba, o Ministério de Antiguidades divulgou a informação de que existem cerca de 12 missões arqueológicas em andamento no momento — sem contar os trabalhos de equipes estrangeiras trabalhando no Egito! —, portanto, 2018 prometer ser repleto de novidades.