Ninguém pode negar que 2018 foi um ano repleto de altos e baixos, certo? Só que, para a Mãe Natureza e a biodiversidade do planeta, foram registrados muitos mais... “baixos”. Pois é, caro leitor, uma série de espécies de animais foram declaradas extintas no ano passado – e você pode conferir quais foram elas na lista abaixo:

1 – Ararinha-azul

Nativa do Brasil – ave protagonista da animação Rio, da Pixar.

(Wikimedia Commons/Johann Baptist von Spix)

Nome científico: Cyanopsitta spixii.

Classificação: declarada extinta na natureza.

Status: restam entre 60 e 80 exemplares vivendo em cativeiro.

Causa da extinção: desmatamento e resultante perda de habitat natural.

2 – Limpa-folha-do-nordeste

Nativa do Brasil.

(The Internet Bird Collection/Ciro Albano)

Nome científico: Philydor novaesi.

Classificação: declarada extinta na natureza.

Status: o último registro de observação aconteceu em 2011, e estima-se que o número de indivíduos vivos não passe de 50; os cientistas acreditam que a chance de sobrevivência desta ave é de 0,1%.

Causa da extinção: perda de habitat natural.

3 – Puma-oriental

Nativa da América do Norte.

(Wikimedia Commons/USG)

Nome científico: Puma concolor couguar.

Classificação: espécie extinta.

Status: último exemplar teria sido morto no Maine, EUA, há 80 anos.

Causa da extinção: perda de habitat natural.

4 – Rinoceronte-branco-do-norte

Nativa da África.

(Wikimedia Commons/Coralie)

Nome científico: Ceratotherium simum cottoni.

Classificação: espécie considerada funcionalmente extinta.

Status: depois da morte do último macho da espécie, Sudan, restam apenas 2 fêmeas no mundo.

Causa da extinção: atividades humanas como a caça ilegal.

5 – Po?o-uli

Nativa do Havaí.

(Wikimedia Commons/U.S. Fish and Wildlife Service/Paul E. Baker)

Nome científico: Melamprosops phaeosoma.

Classificação: possivelmente extinta.

Status: segundo levantamentos, em 2004, restavam apenas 2 exemplares conhecidos desta ave e, desde então, nenhum Po?o-uli voltou a ser visto.

Causa da extinção: declínio da população devido à introdução de espécies invasivas em seu habitat natural.

6 – Gritador-do-nordeste

Nativa do Brasil.

(Bird Life International)

Nome científico: Cichlocolaptes mazarbarnetti.

Classificação: extinta.

Status: os últimos exemplares de gritador-do-nordeste, ave que só foi descrita cientificamente em 2014, foram avistados entre 2005 e 2007 e, desde então, não ocorreram novos registros.

Causa da extinção: perda de habitat natural.

Animais que podem entrar em extinção em 2019:

Vaquita

Nativa do Golfo da Califórnia.

(Wikimedia Commons/Paula Olson/NOAA)

Nome científico: Phocoena sinus.

Classificação: criticamente ameaçada de extinção.

Status: os levantamentos mais recentes apontam que restam menos de 30 exemplares no mundo.

Orangotango-de-tapanuli

Nativa de Sumatra.

(Wikimedia Commons/Tim Laman)

Nome científico: Pongo tapanuliensis.

Classificação: criticamente ameaçada de extinção.

Status: a espécie só foi descrita cientificamente em 2017, mas os levantamentos apontam que existem menos de 800 exemplares deste animal.

Lobo-vermelho

Nativa do sul dos EUA.

(Wikimedia Commons/LaggedOnUser)

Nome científico: Canis lupus rufus.

Classificação: criticamente ameaçada de extinção.

Status: estimativas apontam que restam menos de 40 exemplares na natureza.