Você chegou a ver um vídeo que circulou pela internet esses dias e que mostrava um enxame de abelhas se movendo em ondas hipnóticas no galho de uma árvore? Caso você não tenha visto, abaixo você pode conferir um clipe semelhante para entender do que estamos falando:

Incrível, você não concorda? Pois essa movimentação, como você deve ter deduzido, consiste em um mecanismo de defesa das abelhas – e sua principal função é a de evitar o ataque de predadores, especialmente o de vespas, que se aproximam com o objetivo de roubar mel ou matar as abelhinhas.

Defesa coreografada

De acordo com Catie Keck, do site Gizmodo, essa “ola” produzida pelas abelhas começa quando os indivíduos notam a aproximação de um possível predador. Então, a partir de um ponto determinado do enxame, as abelhas elevam o abdome e a ação começa a se espalhar para os demais bichinhos. Veja:

Segundo Catie, o que essa ação faz é criar uma superfície sobre a qual as vespas teriam bastante dificuldade de pousar ou de atacar abelhas específicas. Além disso, a movimentação funciona como um sinal de alerta, e pesquisas mostraram que ela cria uma espécie de barreira de mais ou menos meio metro entre as abelhas e as vespas, prevenindo a sua aproximação.

Contudo, esse fantástico mecanismo de defesa, embora eficaz, não é completamente a prova de ladrões ardilosos. No vídeo a seguir, produzido há alguns anos pela BBC, o naturalista britânico David Attenborough faz uma demonstração da movimentação das abelhas e, mais adiante no clipe (a partir do minuto 3:30), ele mostra uma mariposa que, depois de várias tentativas, consegue se esgueirar por entre as abelhas e roubar mel. Como? Segundo Attenborough, ela cobriu o corpo com feromônios para não ser reconhecida como invasora! Espertinha, né? Assista:

Outra coisa interessante que Attenborough lembra no vídeo é que, considerado que as abelhas também podem se defender de ataques com dolorosas picadas, quando fazem isso, elas morrem imediatamente, o que significa que a “ola hipnótica” consiste em uma opção mais efetiva.