Um time internacional de astrônomos encontrou 83 quasares e, consequentemente, seus respectivos buracos negros gigantes. Quasares são objetos astronômicos distantes, extremamente brilhantes e cheios de energia. Eles ficam localizados nos centros de galáxias e são alimentados por buracos negros supermassivos.

A descoberta revelou informações inéditas. Os quasares encontrados surgiram na época em que o universo tinha apenas um décimo da sua idade atual. O time compilou os registros em 5 artigos diferentes nos quais as propriedades dos objetos foram detalhadas. Os astrônomos declararam que a região observada comporta 100 quasares do universo primitivo, dos quais 17 já eram conhecidos. Estima-se que a distância entre os buracos negros supermassivos seja, aproximadamente, de um bilhão de anos-luz.

Reprodução/IFL Science

Nesse conjunto imenso de objetos astronômicos, o time descobriu o segundo quasar mais distante da Terra — a sua luz vem de uma época em que o universo tinha cerca de 700 milhões de anos. "Nós aprendemos muito sobre a formação e evolução inicial de buracos negros supermassivos, comparando as densidades e luminosidades medidas com previsões de modelos teóricos anteriores.", declarou o líder da equipe, Yoshiki Matsuoka.

Além disso, próximo ao objeto citado acima, o grupo também identificou o que seria o terceiro quasar mais distante. Como relatado no jornal The Astrophysical Journal Letters , ele é um tanto quanto peculiar. Ao contrário de seus semelhantes, ele não possui luminosidade ou dimensão marcantes. Suas características são semelhantes a de quasares mais novos; no entanto, ele está em uma região em que se encontra outros muito antigos.

Reprodução/TVF International

A origem dos quasares ainda é um mistério para a ciência. Sabe-se, contudo, que o universo viveu uma "Idade das Trevas Cósmica", época na qual nenhuma luz visível brilhava. Esse fenômeno aconteceu, aproximadamente, 370 mil anos após o Big Bang. Depois de muito tempo, algumas estrelas estavam começando a se formar e a matéria se reuniu nas primeiras galáxias. No centro delas, buracos negros supermassivos devoravam tudo que estava a seu alcançe. Eles tinham tanta energia que os centros galácticos brilhavam como quasares.

Cientistas teorizam que buracos negros se formam seguindo uma hierarquia: os pequenos, por exemplo, poderiam ser resultado de supernovas. Eles se fundem e crescem gradativamente. Todavia, alguns são grandes demais para terem se formado dessa forma. Segundo alguns astrônomos, nesses casos, o processo levaria mais tempo do que a idade do universo. Buracos negros, em muitos sentidos, continuam sendo um enigma científico.