Todas as aves são criaturas ovíparas, isto é, são animais que põem ovos. Esse é um dos muitos fatos da vida e, segundo indicam os fósseis que já foram descobertos pelo mundo, as aves vêm fazendo isso há milhões e milhões de anos. Contudo, você sabia que nenhum cientista jamais havia se deparado com um exemplar pré-histórico de uma ave contendo ovos em seu interior?

Isso mudou recentemente, depois que uma equipe de paleontólogos descreveu em uma pesquisa a descoberta de um pássaro fossilizado contendo um ovo que não chegou a ser posto. Na realidade, o fóssil foi encontrado há mais de 10 anos, durante escavações realizadas em uma área situada no noroeste da China onde um grande número de aves e ovos foi coletada e, mais tarde, armazenada para estudo.

Fóssil único

Anos depois, quando os exemplares começaram a ser examinados, os paleontólogos notaram em um dos fósseis algo que eles descreveram como uma membrana estranha. Então, ao analisar a criatura mais de perto, os pesquisadores tiveram uma baita de uma surpresa ao descobrir que, em vez de um tecido orgânico qualquer, se tratava de um ovo totalmente formado – o primeiro a ser encontrado ainda no corpo uma ave fossilizada.

A seta indica onde o ovo se encontra no fóssil (Reprodução / Wikimedia Commons / Alida M. Bailleul)

De acordo com os cientistas, a descoberta é incrivelmente incomum, visto que, uma vez completamente formados, os ovos não costumam permanecer no corpo das aves mais de 1 dia.  Sendo assim, uma teoria é a de que o pobre pássaro morreu quando estava prestes a botar o ovo – ou até em decorrência de complicações ao tentar botá-lo.

Os paleontólogos também identificaram anomalias na estrutura da casca do ovo que sugerem que a ave pode ter sofrido algum trauma ou infecção que tenha causado o atraso em pôr o ovo – um processo que pode resultar na formação de camadas extra de casca que podem levar o embrião em desenvolvimento ou a mãe à morte.

Ademais, os cientistas encontraram vestígios de fosfato de cálcio na casca, um material normalmente encontrado nos ovos de aves que habitam ambientes úmidos – e é possível que o pássaro fossilizado pusesse os seus em ninhos enterrados no solo, perto da margem de um lago. Os paleontólogos identificaram o osso medular no pássaro, uma estrutura presente nas fêmeas capazes de reproduzir.

Ilustração que mostra como as aves possivelmente eram há milhões de anos (Reprodução / BirdWatching Magazine / Michael Rothman)

O animal pertence à espécie Avimaia schweitzerae, uma criatura de tamanho equivalente ao de um pardal e que foi extinta há milhões de anos, mas novos estudos podem revelar muitas outras informações sobre a ave. O ovo, por exemplo, pode ajudar a equipe a desvendar mistérios sobre disfunções reprodutoras que afligiam pássaros pré-históricos, e pigmentos na casca do ovo podem dar pistas sobre o comportamento desses animais na hora de construir seus ninhos e cuidar da prole – e os paleontólogos esperam descobrir ainda ais a partir desse fóssil único.