Uma notícia que agitou o mundo há alguns dias foi a divulgação da primeira imagem de um buraco negro já capturada na história. Você já deve estar por dentro de como a foto foi obtida, mas, resumidamente, ela é resultado de uma cooperação internacional que envolveu mais de 200 pesquisadores de várias áreas.

A observação ocorreu por meio de 8 telescópios espalhados pela Terra que apontaram seus dispositivos para o centro da galáxia Messier 87, situada a mais de 50 milhões de anos-luz de nós. Apesar de não ser incrivelmente nítida, a imagem é um marco e tanto para a ciência.

(Reprodução/Chandra X-Ray Observatory/NASA/CXC/Villanova University/J. Neilsen)

Agora, houve o anúncio de que o buraco negro — com diâmetro estimado em absurdos 40 bilhões de quilômetros — foi batizado. Seu nome, embora possa soar um pouco esquisito, é bastante poético: Powehi, que significa “fonte escura e embelezada de criação infinita”, em tradução livre.

Nome com vários significados

De acordo com Madison Dapcevich, do site IFLScience!, os pesquisadores por trás da obtenção da imagem buscaram Larry Kimura, um professor de linguística da Universidade do Havaí, que sugeriu o curioso nome. Powehi tem sua origem em um antigo canto tradicional havaiano, chamado Kumulipo, que descreve a criação do universo; os fragmentos Po e wehi podem ser traduzidos como “fonte escura e profunda de criação infinita” e “honrado com embelezamento”, respectivamente.

(Reprodução/Chandra X-Ray Observatory/NASA/CXC/Villanova University/J. Neilsen)

Aliás, o título do canto também pode ser dividido em duas palavras: Kumu significa “fonte” e lipo se traduz como “escuridão”. Segundo contou o linguista, a captura da imagem só foi possível graças à gravidade absurda e ao poder do buraco negro em atrair material, gases e luz.

Além disso, na realidade, o halo alaranjado que vemos na imagem não representa Powehi propriamente dito, e sim o campo gravitacional que se forma ao seu redor, pois o buraco absorve tudo o que ultrapassa o horizonte de eventos, incluindo a luz. Assim, conforme explicou Kimura, sua interpretação sobre o “embelezamento” faz referência ao anel luminoso capturado na foto.

(Reprodução/Chandra X-Ray Observatory/NASA/CXC/Villanova University/J. Neilsen)

E por que escolheram um nome havaiano? Porque dois dos telescópios que desempenharam papéis superimportantes nas observações ficam no topo do Mauna Kea, um vulcão dormente do Havaí. Então o time de cientistas que participou da coleta de dados sobre o buraco negro e a criação da imagem concordou que batizá-lo como Powehi era bastante apropriado.