Ao menos 150 pessoas estão infectadas com uma doença emergente no Brasil com sintomas muito semelhantes aos da leishmaniose visceral. A doença foi descrita pela primeira vez por pesquisadores brasileiros em um artigo publicado no periódico  Emerging Infectious Disease. O parasita responsável pela sua transmissão ainda é desconhecido, mas sabe-se que a enfermidade é mais grave e também mais resistente a tratamentos.

O primeiro caso apareceu em 2011, em Aracaju, Sergipe. O paciente era um homem de 60 anos que, ao dar entrada no hospital, apresentava sintomas da leishmaniose visceral já em estado grave — situação incomum, visto que tal enfermidade costuma evoluir lentamente.

nova doença leishmaniose sergipe
(Fonte: Agência Fapesp/Divulgação)

“Ele não respondeu aos tratamentos convencionais, com quatro recidivas que resultaram em novas internações”, explicou Roque Pacheco Almeida, imunologista da Universidade Federal do Sergipe (UFS), que atendeu o caso. “Em mais de 30 anos trabalhando com leishmaniose, com mais de 11 mil indivíduos diagnosticados, nunca tinha visto nada parecido”, afirmou o médico em um comunicado à imprensa.

O paciente ainda apresentou feridas na pele, algo característico da leishmaniose tegumentar, que costuma ser menos grave. Sem o tratamento adequado, uma vez que não se conhecia a doença de fato, o homem acabou morrendo em 2012.

Esse caso fez com que pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos, da Universidade de São Paulo e da UFS se interessassem pelo assunto e começassem a estudar sobre. A pesquisa demonstrou resultados que não deixam dúvidas sobre um fato: trata-se realmente de uma nova espécie de doença que afeta os mamíferos e pode ameaçar a saúde, levando até a morte.

Afinal, o que se sabe sobre essa doença?

Resultado de imagem para pessoa doente
(Fonte: Alto Astral/Reprodução)

Até agora, nem a enfermidade propriamente dita, nem seu agente causador possuem nome. Os pesquisadores somente sabem que o parasita guarda semelhanças com o Crithidia fasciculata, uma espécie de protozoário que, em regra, infecta insetos, mas que não pode atingir mamíferos. A leishmaniose, por outro lado, é causada por agentes do gênero Leishmania.

Ambos são da mesma família do Trypanosoma cruzi, causador da doença de Chagas. Apesar de ainda desconhecido, os cientistas fizeram análises genômicas que indicam que tal parasita provavelmente também seja dessa família.

Após essa conclusão, os pesquisadores cultivaram em laboratório o mesmo parasita que estava no corpo do senhor de 60 anos que faleceu. A partir disso, descobriu-se que além de humanos, camundongos podem ser igualmente infectados.

Como ocorre sua transmissão?

Resultado de imagem para mosquito culex
(Fonte: BBC/Reprodução)

Os pesquisadores desconfiam que dois gêneros de mosquito sejam os responsáveis por carregar e transmitir o parasita: o Culex, aquele pernilongo que costuma aparecer em noites de verão zumbindo nos ouvidos de brasileiros, e os anofelinos, relacionados à malária.

Mais pesquisas serão necessárias para que novas informações sejam descobertas e tratamentos possam ser desenvolvidos, mas uma coisa é inegável: essa nova doença possui potencial para se tornar um problema de saúde pública, sobretudo se não receber a devida atenção das autoridades.