Um grupo de pelo menos 11 elefantes morreu após cair de uma cachoeira na Tailândia. O acidente ocorreu no último sábado (5), no Parque Nacional de Khao Yai, que fica na província de Nakhon Ratchasima, região central do país asiático. O mesmo local já tinha sido palco de uma tragédia semelhante, em 1992.

(Fonte: Facebook/Parque Nacional de Khao Yai)

De acordo com as autoridades locais, o acidente teria acontecido após um bebê elefante escorregar na queda d’água Haew Narok — ou Queda do Inferno, na tradução livre. Os animais mortos estavam tentando salvar o filhote, quando acabaram levados pela forte correnteza.

Inicialmente, foram encontrados seis corpos de elefantes. Mas com o decorrer dos dias, os oficiais acharam mais cinco cadáveres. Por outro lado, uma boa notícia surgiu em meio à tragédia: dois elefantes foram resgatados por veterinários nas proximidades e estão sob observação.

Elefantes sobreviventes podem sofrer com a perda

Os elefantes selvagens da Tailândia têm o hábito de se agrupar em grandes manadas com o objetivo de aumentar a segurança e procurar alimentos, de acordo com Edwin Wiek, da Fundação Amigos da Vida Selvagem da Tailândia.

Oficiais participam do resgate. (Fonte: Facebook/Parque Nacional de Khao Yai)

Em entrevista à BBC, ele afirmou que, desta forma, o incidente pode ter um custo emocional aos dois sobreviventes, a longo prazo, pois a espécie costuma viver o sentimento de luto quando algum integrante do grupo morre. Como foram 11 mortos, o estresse será ainda maior: “É como perder metade da família”, explicou Wiek.

Mais de 7 mil elefantes vivem no país

O parque em que os elefantes morreram na Tailândia tem uma área superior a 2 mil metros quadrados. Além de aproximadamente 300 elefantes selvagens, ele abriga outras espécies, incluindo gabões e ursos. Para evitar que as águas da região sejam contaminadas e tragam problemas para a fauna local, os administradores do Khao Yai se esforçam para retirar os corpos do rio.

Já em todo o país vivem cerca de 7 mil elefantes, atualmente, mas a metade deles está em cativeiro e sob condições inadequadas, conforme estudo divulgado em 2017. Diante do número de mortos no Parque Nacional Khao Yai, a imprensa local considera o acidente como uma das maiores perdas de elefantes da história da Tailândia.