O advogado americano Damien Riehl e o programador Noah Rubin usaram um algoritmo para gerar quase 69 bilhões de melodias, com o objetivo de acabar os processos de plágio, que eles dizem estar sufocando a liberdade criativa dos músicos. Concretamente, o algoritmo projetado registrou todas as melodias possíveis com 8 notas em 12 batidas. Eles as geraram a uma taxa de 300 mil melodias por segundo e depois as exportaram para o formato MIDI, um tipo de arquivo usado para compor músicas.

Fonte: GettyImages

“Quando juízes e advogados pensam em músicos, pensam em pessoas que se baseiam em sua própria criatividade para dar à luz a algo que surgiu do nada. [...] Mas isso não é verdade”, explicou Damien Riehl em uma conferência TED Talk, dizendo acreditar que existe um número finito de melodias e que todos os artistas atraem apenas um e o mesmo "banco" de melodias.

Por que o algoritmo de música faz sentido

Todo o conceito só funciona porque a música é construída sobre fatos. No TEDx Talk, de Damien Riehl, ele menciona que os números são fatos, pois as quantidades existem desde tempos imemoriais e que os fatos raramente são afetados pelos direitos autorais. Da mesma forma, ele sugere, as notas musicais também são fatos. O som que um piano faz quando uma tecla é pressionada é apenas um ruído acionado por objetos que entram em contato um com o outro. A humanidade qualificou esses sons de notas, mas não as criamos.

Riehl argumenta: “Então, se esses números existem desde o início dos tempos e os extraímos, talvez as melodias sejam apenas matemática, que são apenas fatos, que podem não e não devem ser protegidas por direitos autorais".

Fonte: GettyImages

Considerando que a música ocidental envolve apenas algumas dezenas de instrumentos e perfis sonoros, torna-se óbvio que a música é quantificável. Você pode atribuir um valor numérico a cada nota em um piano, por exemplo, e depois organizar uma série desses números. Em resumo, as melodias podem ser geradas pela matemática, exatamente o que o algoritmo de Riehl e Rubin faz.

Certamente existem mais do que 68 bilhões de melodias possíveis, mas, limitadas a um tipo de música, as possibilidades tornam-se subitamente limitadas. Os criadores deduziram que as melodias mais populares consistem em cerca de 8 notas, portanto, com base nisso, o software gerou todas as combinações possíveis de 8 notas e 12 melodias em uma batida.