Dizem que os elefantes têm uma memória incrível e se lembram de tudo o que acontece em suas vidas, mas nós torcemos para que Kaavan possa esquecer — ou pelo menos superar de alguma forma — os últimos anos de sua vida. Isso porque, depois de tanto tempo vivendo em um zoológico em péssimas condições, Kaavan finalmente está sendo resgatado e irá para um santuário de elefantes no Camboja.

O elefante mais solitário do mundo

Kaavan nasceu no Sri Lanka e, ainda filhote, foi enviado para o zoológico Marghazar, em Islamabad, capital do Paquistão. Ele viveu lá por 35 anos, em condições deploráveis: ele têm sobrepeso, mesmo estando desnutrido, por exemplo. Além disso, ele era mantido acorrentado no calor, em um piso inadequado, que destruiu as unhas de suas patas.

Mas os estados físico e mental de Kaavan começaram a piorar, de verdade, quando ele perdeu sua companheira, Saheli, em 2012 — que morreu por causa das péssimas condições no zoológico. Desde então, ele ficou cada vez pior, até ganhar o triste título de "o elefante mais solitário do mundo".

Foi esse o mote que a ONG de defesa dos animais Four Paws, da Áustria, usou para chamar a atenção à história de Kaavan e lutar pelo seu resgate. Uma campanha na internet conquistou mais de 400 mil assinaturas e foi divulgada por vários artistas, como a diva Cher, até que o caso chegou à justiça. Em 2020, as autoridades paquistanesas ordenaram o fechamento do zoológico Marghazar, e todos os animais — incluindo Kaavan — devem ser transferidos para locais mais dignos.

Kaavan viveu por 35 anos em um zoológico em Islamabad, em péssimas condições (Fonte: Deutsche Welle/Reprodução)Kaavan viveu por 35 anos em um zoológico em Islamabad, em péssimas condições. (Fonte: Deutsche Welle/Reprodução)

Até que sua história ganhou atenção internacional e o zoológico foi fechado, pelas autoridades paquistanesas (Fonte: Deutsche Welle/Reprodução)Até que sua história ganhou atenção internacional e o zoológico foi fechado pelas autoridades paquistanesas. (Fonte: Deutsche Welle/Reprodução)

Agora, equipes de veterinários estão trabalhando com Kaavan e pretendem transferi-lo para um santuário de elefantes (Fonte: NY Post/Reprodução)Agora, equipes de veterinários estão trabalhando com Kaavan e pretendem transferi-lo para um santuário de elefantes. (Fonte: NY Post/Reprodução)

Uma nova oportunidade

Os elefantes são animais bastante sociais, por isso a solidão mexe com suas emoções. Os voluntários da Four Paws contam que o comportamento de Kaavan é atípico, apresentando tiques, como balançar repetidamente a cabeça por horas e horas — um reflexo da solidão e dos maus-tratos que o elefante recebeu.

Felizmente, apesar de tudo isso, Kaavan ainda tem condições físicas de suportar uma viagem até sua nova casa, um santuário de elefantes no Camboja.

Um detalhe curioso sobre essa história é que um dos veterinários que trabalhou com Kaavan diretamente começou a cantar músicas de Frank Sinatra, para que o animal se acalmasse com sua presença. Esperamos que no Camboja "o elefante mais solitário do mundo" possa ter dias mais felizes no que resta de sua vida — a expectativa de vida dos elefantes-asiáticos, espécie de Kaavan, é entre 50 e 60 anos.