A grande última descoberta cientifica vem diretamente da região de Queensland, na Austrália. No parque arqueológico Riversleigh – que é considerado Patrimônio Mundial da Unesco – os cientistas da Universidade de New South Wales encontraram um fóssil de 17 milhões de anos que continha esperma de uma antiga espécie de camarão que vivia no país.

“Esses são os espermatozoides fossilizados mais antigos já registrados em uma descoberta geológica”, comenta o professor Mike Archer, responsável pelo achado. O especialista já vem escavando a região de Riversleigh há mais de 35 anos. No mesmo local, já foram descobertos outros fosseis inusitados – como o de um ornitorrinco gigante com dentes e um canguru carnívoro.

Sidney Morning HeraldLocal da escavação onde o fóssil de 17 milhões de anos foi encontrado.

O esperma foi encontrado junto aos órgãos sexuais de um ostracode, que é um artrópode crustáceo de tamanho minúsculo, e impressionou os pesquisadores por ser maior do que o corpo do animal. O fóssil em questão foi coletado pelos pesquisadores em 1988 e repassado para outros especialistas para que eles pudessem analisar melhor o material.

Também é interessante notar que os pesquisadores não podem afirmar ao certo como o esperma se manteve conservado por tanto tempo. No entanto, eles acreditam que os morcegos da caverna que existia no local possam ser os responsáveis pela preservação: “Pequenos ostracodes sobreviviam em piscinas de água na caverna que eram continuamente enriquecidas com excrementos de morcegos”, comenta Archer.

Science DailyImagem aumentada do esperma encontrado no fóssil.

Assim, os cientistas acreditam que as fezes dos mamíferos voadores tenham contribuído para a mineralização dos tecidos. Eles ainda comentam que isso é “totalmente inesperado” e imaginam “que outros tipos de preservações extraordinárias esperam para serem descobertas nesses depósitos”.