Com toda a sinceridade do mundo, nós do Minha Série estávamos muito curiosos para ver a sequência de Capitão América: O Primeiro Vingador. Não que o primeiro filme tenha sido ruim, longe disso, mas a verdade é que o sucessor do longa-metragem aparentou ser muito mais promissor — após o arrebatador sucesso de Os Vingadores lançado em 2012, era difícil acreditar em um lançamento mediano.

Enquanto o primeiro filme da saga do herói alcançou números relativamente pequenos — cerca de US$ 194 milhões em bilheterias internacionais —, a história que envolve o Soldado Invernal já é líder de arrecadação em diversos países do mundo.

Fonte da imagem: Divulgação/Marvel

Ao contrário de outros filmes baseados nos super-heróis da Marvel, o novo blockbuster segue uma história muito mais política do que simplesmente combater inimigos com superpoderes. Entre cenas com batalhas intensas cheias de pancadaria e tiros no escudo, o enredo concede uma atenção especial à personalidade de Steven Rogers, o patriota Capitão América — ou ex-patriota?

O fim da organização HYDRA?

No decorrer do filme, Rogers ainda se depara com os acontecimentos de suas batalhas durante a Segunda Guerra Mundial e se encontra em uma situação no qual não pode confiar em ninguém. Já que o longa apresenta acontecimentos políticos e que envolvem a organização S.H.I.E.L.D, nada mais justo do que proporcionar diversas reviravoltas no decorrer da trama. Para quem pensava que a organização secreta HYDRA havia sido extinta, prepare-se para acontecimentos surpreendentes envolvendo ela e outros grupos.

É inevitável dizer que a bela Scarlett Johansson (Víuva Negra) e Chris Evans (Capitão América) estão impecáveis em seus papéis. O destaque especial vai para Evans e seu cabelo de boy band dos anos 90 — o ator conseguiu transmitir muito bem o lado emocional do herói. Com relação ao principal vilão da história, se você não conhece o Soldado Invernal, saiba que ele é um experimento maléfico com um poderoso braço metálico — pronto, sem spoilers!

Fonte da imagem: Divulgação/Marvel

Sobre os efeitos sonoros e especiais

As cenas de batalhas estão caprichadíssimas e efeito especial é o que não falta. Claro que alguns trechos são exagerados até demais, mas nada que tire o brilho do Capitão América bloqueando tiros de todos os lados com o seu escudo. De nada adianta tanto capricho visual sem efeitos sonoros convincentes, certo?

É justamente nesse quesito que o longa-metragem é perfeito. A sonoridade das pancadas, explosões e tiros são de cair o queixo. Durante a primeira cena de pancadaria, cada golpe era um verdadeiro soco no estômago — por pouco não foi possível sentir a dor de quem estava apanhando.

Se você não assistiu ao primeiro filme, talvez fique meio perdido durante alguns diálogos. Para tornar a experiência da trama ainda mais intensa, é altamente recomendável ver Os Vingadores e Capitão América: O Primeiro Vingador antes de ir ao cinema no dia 11 de abril. Assim que o filme terminar, descanse um pouco na cadeira para conferir as impactantes cenas do final — parece que vem mais coisa boa por aí.

*Este filme teve sua análise elaborada a partir de exibição em evento da Gameloft.

Esta matéria faz parte de um teste de uma possível expansão do Grupo NZN na cobertura das novidades mais quentes sobre o mundo do cinema. O que você acha dessa ideia? Gostaria de ler mais notícias assim?

Via Minha série