A transição entre a meia e a terceira idade ainda é um tabu na sociedade, e o fato é que o preconceito com pessoas mais maduras no mercado de trabalho pode ser um grande problema. O trabalho para quem está na faixa acima dos 40 anos pode ser tanto estimulante e benéfico quanto prejudicial.

Um dos pontos mais discutidos disso tudo é a qualidade de vida. O Instituto de Economia Aplicada e Pesquisas Sociais, órgão ligado à Universidade de Melbourne, na Austrália, fez uma pesquisa na qual foram estudados 3 mil homens e 3,5 mil mulheres com mais de 40 anos.

Testes como leitura em voz alta, listas de números de trás para frente e conexão de números a letras com limite de tempo foram realizados para analisar o raciocínio dos voluntários. A pesquisa apontou que aqueles que trabalham entre 25 e 30 horas por semana apresentaram os melhores resultados. Os desempregados ficaram atrás; entretanto, tiveram maior desempenho que os que trabalham longas horas, de 40 a 60 horas semanais. Sendo assim, o estudo concluiu que 3 dias por semana é o ideal para manter o cérebro dos quarentões ativos e sem estresse ou fadiga laboral, prezando por uma boa qualidade de vida.