No dia 26 deste mês, uma grave denúncia começou a ganhar voz na internet: uma auditora fiscal do aeroporto Galeão, no Rio de Janeiro, teria usado o cargo para humilhar e prejudicar duas passageiras que voltavam de uma viagem ao exterior.

No post, Mariana Cavalcante conta como ela e sua avó, de 86 anos, foram impedidas de levar os pertences embora e ainda precisaram pagar uma taxa de R$ 1,5 mil sem que fossem apresentadas as devidas justificativas.

Em apenas dois dias, a publicação já ultrapassa mais de 220 mil compartilhamentos e reúne mais pessoas que se dizem vítimas da funcionária Maria Lucia Lima Barros.

Outras pessoas relataram problemas com a mesma profissional

Ainda sem nenhuma resposta por parte do aeroporto, Mariana aproveita a força que sua declaração ganhou na internet para reunir provas e reclamações que ajudarão no processo.

 Leia a denúncia na íntegra:

“Queridos amigos,

Essa senhora da foto se chama Maria Lucia Lima Barros.

Ela é auditora fiscal e atua na alfândega do aeroporto Galeão, no Rio de Janeiro.

Neste último sábado, dia 24 de setembro, retornei de uma viagem de 2 semanas para a Índia com a minha avó, de 86 anos, que chegou de cadeiras de rodas e passando muito mal depois de 14 horas de voo.

Fomos paradas na alfândega e pediram para abrir as nossas bagagens. Abrimos, sem qualquer hesitação. Ocorre que, durante quase 4 horas, sofremos um verdadeiro terror psicológico por parte desta senhora, Maria Lucia.

Em total desrespeito a mim e à minha avó, idosa, ouvimos todos os tipos de deboches, grosserias e sarcasmos. A servidora passeava de um lado para o outro, conversando com várias pessoas, muitas vezes rindo e tudo parecia fazer parte do seu "show".

E, o que é pior: passadas 4 horas de evidente assédio moral – que pareceram uma eternidade –, a auditora fiscal sequer conseguiu concluir o seu trabalho, alegando que ainda precisaria de muito tempo para firmar a sua convicção e apontar os valores eventualmente devidos.

Foi, então, que, com o intuito de dar um basta à situação, resolvi ir embora, deixando os objetos que tinha comprado. Maria Lúcia lavrou um termo de retenção (nulo, sob o ponto de vista jurídico, já que sequer elencava quantidade e qualidade dos itens). Se recusou a me informar o seu sobrenome, limitando-se a apor o número de sua matrícula. E disse que voltasse no plantão dela para recuperar os meus pertences! Mais um absurdo porque não se trata de um ato personalíssimo...

Minha avó, senhora de idade, não queria ir embora sem suas coisas. E, mais uma vez, Maria Lucia veio com um tom irônico alegando que, para tanto, levaria ainda muito mais tempo... Cinco minutos depois, apareceu com um DARF no valor de 1500 reais, sem nenhuma fundamentação! Minha avó ficou indignada, mas, mesmo assim, preferiu pagar, acabando com aquele sofrimento e levando as coisas dela para casa.

Mas, o que mais me impressionou durante toda essa saga foi que todos os servidores públicos presentes na ocasião me pediam para permanecer calma e me falavam que essa conduta dela era recorrente. E que, a cada voo, um passageiro era eleito e assediado por ela.

Hoje, retornei ao aeroporto, falei com uma Supervisora da Receita Federal e recuperei minha bagagem.

E, mais uma vez, todos os servidores, incluindo os guardas, reconheceram a minha situação e me afirmaram que eu e minha avó fomos apenas mais uma vítima dessa servidora, que, a pretexto de exercer a sua função, constrange, humilha e desrespeita passageiros.

Conversando informalmente com alguns amigos, muitos já conheciam esta senhora e tinham uma história de terror para contar.

Mas, dessa vez, Maria Lucia se deparou com a pessoa errada. Já contatei meus colegas advogados, procuradores, juízes (sou advogada) e estou preparando uma representação administrativa contra ela. Na esfera cível, pleitearei uma indenização por danos morais e ainda estamos avaliando se apresentaremos uma denúncia criminal.

Estou escrevendo esse post para pedir que vocês o compartilhem e que, caso já tenham sofrido nas mãos dessa senhora, colaborem com as suas experiências pessoais, a fim de demostrar que o que ocorreu comigo e minha avó não se trata de uma conduta isolada, sendo necessário pôr fim ao abuso de autoridade desta servidora.

Vamos dar um basta a essa "síndrome do pequeno poder" que tanto afeta os brasileiros. Falando por mim e pela minha avó, não temos nada a dever. Pagamos nossos impostos em dia. Somos pessoas instruídas e não vamos deixar passar.

Estou fazendo isso por mim, pela minha avó, pelas pessoas que também já passaram por esse terrível constrangimento e por aquelas que podem vir a passar.

Obrigada, Mariana Cavalcante”