Os amantes da culinária oriental talvez não dispensem uma ida ao restaurante japonês de vez em quando e certamente dominam a arte de manusear corretamente o hashi – se quiser saber qual a origem desses palitinhos, clique aqui – na hora de devorar delícias como o bom e velho sushi. Se você é um desses apaixonados pelas comidinhas orientais, descubra a seguir alguns fatos curiosos sobre o sushi:

1 – Se você é uma pessoa que pensa que a origem do sushi é japonesa, saiba que na verdade não é nada disso. Ainda que os japoneses consumam muito esse alimento e que ele tenha sido incorporado à cultura do país, a invenção do prato parece ter acontecido no sudeste da Ásia, nos arredores do Rio Mekong. A primeira versão do sushi era basicamente carne fermentada envolta em arroz azedo. A iguaria logo tomou conta da China e só depois começou a fazer sucesso no Japão.

2 – Se hoje você não paga assim tão barato para se empanturrar de sushi, saiba que o prato foi criado com a intenção de ser uma opção barata de “fast food”.

3 – Afinal de contas, o que é wasabi? Se a sua resposta é algo como “é aquele negócio verde ardido”, você está certo em partes. O wasabi é extraído da raiz de uma planta chamada wasabia japonica, e a característica ardida do tempero é uma manifestação das propriedades antibacterianas da planta e, por isso, ela é perfeita para ser consumida com alimentos crus.

A verdade é que o wasabi autêntico é muito caro, e provavelmente a pasta verde que você consome é feita de mostarda com rábano (a raíz-forte, conhecida também como “crem”). A tonalidade verde é geralmente proporcionada por algum tipo de corante artificial.

4 – A alga utilizada para enrolar o sushi é cultivada em estufas próprias, mas antigamente as algas eram enroladas em troncos e expostas ao sol antes de serem preparadas.

5 – Quando a palavra “sushi” sucede outra palavra, ela se transforma em “zushi”. Por exemplo: maki-zushi e nigiri-zushi. Então se você encontrar essa grafia em algum cardápio de restaurante saiba que não há nada de errado com ela.

6 – O sashimi mais perigoso é aquele feito com carne de fugu, um peixe extremamente tóxico que é consumido no Japão. Se você resolver experimentar esse bichinho algum dia, certifique-se de que a pessoa que está preparando sabe tudo a respeito, afinal o fugu pode ser a sua última refeição, se não for preparado do jeito certo.

No Japão, os chefs de cozinha passam por um treinamento intenso, que só é finalizado quando eles preparam o peixe e experimentam o animalzinho.

7 – O resto do mundo está acostumado a pensar em sushi como os rolinhos de arroz com outros ingredientes, mas o tipo de sushi mais consumido no Japão é o nigiri, que é aquele “bolinho” de arroz grudado em um pedaço de peixe e selado com uma fita de alga.

8 – Sushis nem sempre são enrolados em alga, ainda que essa seja a forma mais tradicional de preparar os rolinhos. No Japão, você vai encontrar sushis enrolados em folhas de soja e de pepino.

9 – Por mais que o hashi seja uma invenção útil e prática, o sushi foi originalmente desenvolvido para ser um alimento comido com as mãos. O hashi teria sido criado para comer sashimi, apenas.

10 – Sabia que nos EUA e na Europa o preparo do peixe cru é um pouco diferente? Lá, o peixe deve ficar obrigatoriamente congelado por pelo menos 24 horas antes de ser preparado. A medida foi adotada como uma tentativa de matar possíveis parasitas existentes na carne crua.

Os mais tradicionais acreditam que o congelamento dos peixes prejudica o gosto e a textura do prato. Os mestres japoneses são treinados a reconhecer possíveis problemas com a carne crua.

11 – No Japão é considerado extremamente rude e de mau gosto deixar restos de molho de soja com micro pedaços de arroz boiando. A ideia é aproveitar o alimento ao máximo e evitar qualquer tipo de desperdício. Os japoneses costumam despejar a quantidade mínima de molho no copinho para mergulhar o sushi e, à medida que o molho acaba, eles adicionam mais uma pequena quantidade, sempre evitando o desperdício.

12 – Na verdade, você nem deveria mergulhar o sushi de arroz em lugar algum. Os japoneses não criaram qualquer tipo de sushi para que o arroz fosse mergulhado no molho de soja! O único ingrediente que teoricamente deve ser banhado é o peixe! Aliás, os japoneses acham bem amador quem mergulha o sushi inteiro no molho de soja.

Outros tipos de sushi, cobertos com molhos doces e picantes, como é o caso do unagi, nunca devem ser mergulhados em molho de soja, hein! No máximo, use wasabi para acompanhar.

13 – Uma tradição comum da etiqueta japonesa é a de pagar uma bebida para o chef que preparou seu sushi, como demonstração de gratidão. Nem precisamos dizer que a bebida escolhida é geralmente o saquê, não é mesmo?