Lá se vão 30 longos anos desde que Michael J. Fox entrava em seu DeLorean para explorar as viagens no tempo — e fazer os físicos teóricos se contorcerem em agonia. Três décadas se passaram também desde o surgimento do famoso grupo de “moleques” que pode ser visto em praticamente todo filme para adolescentes surgido após 1985.

Isso para não falar na tentativa da Coca-Cola de reinventar sua própria fórmula canônica — o que acabou por gerar uma indignação quase religiosa. Mas também fazem 30 anos que Madonna experimentou sua explosão maior no showbizz. Igualmente, foi em 1985 que pesquisadores, munidos de uma câmera especial, puderam finalmente localizar os destroços do Titanic.

Enfim, você já deve ter pegado a “vibe”, certo? Foi um ano marcante — sobretudo para quem já coleciona rugas pelo corpo —, e certamente vale a pena relembrar alguns dos principais acontecimentos surgidos ali. Que tal 30? Por quê? Ora, para o título da matéria ficar mais “bonitinho”, naturalmente. Enfim, é hora de voltar no tempo.

O filme “De Volta para o Futuro” (Back to the Future)

Há 30 anos, Michael J. Fox encarnava o adolescente Marty McFly, um típico sujeitinho das high schools que tocava guitarra (vá lá), não gostava de ser chamado de “franguinho” (sim, eu assistia à versão dublada) e tinha como amigo um cientista genial/excêntrico — o qual, eventualmente, o envia 30 anos para o passado, sob o risco de flertar com sua própria mãe.

O longa-metragem também trouxe consigo um dos maiores hits do pop rock da época, “Power of Love” — incluindo uma aparição dentro do filme do próprio Huey Lewis. A música liderou as paradas durante um bom tempo em 1985.

A nova Coca-Cola

Em 1985 a Pepsi lançava uma campanha um tanto arriscada, mas certamente funcional. Promovendo um teste vendado com diversos consumidores nos EUA, tratava-se de um simples teste da Pepsi vs. Coca-Cola. O resultado? Mais da metade dos voluntários errou ao identificar as marcas... E isso foi um belo golpe para o brio até então intacto da Coca-Cola — você sabe, a empresa que ajudou a redefinir uma nova cor para o Papai Noel.

Aparentemente, o sucesso da estreante se deu por conta de uma dose maior de açúcar na bebida. Como resposta, a Coca-Cola apareceu com uma nova fórmula, à qual deu o nome de “New Coke”. Mesmo com uma campanha publicitária milionária, a nova bebida foi uma catástrofe. Ao final, campanhas organizadas pelos próprios consumidores levaram a marca a relançar sua fórmula original, então com o nome de “Classic Coke”.

Quanto à New Coke? Por incrível que pareça, a versão mais “adocicada do refrigerante permaneceu em produção até o início de 2000 — embora rebatizada para “Coke II”.

A música “We are the World” (ou “Iarnuou”)

Faz também três décadas que uma das músicas mais onipresentes (e grudentas) da indústria pop foi coescrita por Michael Jackson e Lionel Richie e cantada por alguns dos nomes mais proeminentes da música (ou não) à época. “We Are The World”, entretanto, tinha uma finalidade nobre: levantar fundos para combater a fome na África, particularmente na Etiópia.

A música foi um tremendo hit, chegando a ganhar quatro discos de platina e vários Grammies, além de ter levantado dezenas de milhões de dólares para causa humanitária. Entre os artistas que emprestaram suas imagens e vozes ao projeto aparecem Bob Dylan, Ray Charles, Tina Turner, Willie Nelson, Paul Simon, Stevie Wonder, Dan Aykroyd (pois é), Bette Midler, the Pointer Sisters, the Jacksons, Smokey Robinson, Bruce Springsteen, Bob Geldof, Huey Lewis entre outros.

O primeiro evento Wrestlemania

Tudo bem que era tudo arranjado. Você já sabia exatamente quem ganharia (os “vilões”), assim como sabia que, em algum momento, alguém sairia do ringue para catar a primeira coisa que pudesse em seu oponente.

Mas, mesmo assim, o primeiro evento Wrestlemania acabou caindo em cheio no gosto popular, transformando em celebridades imediatas nomes como Hulk Hogan, Mr. T, Mr. Wonderful (Paul Orndorff), entre vários outros. O primeiro evento ainda contava com um juiz bastante célebre: o boxeador Muhammad Ali.

O jogo “Pictionary”

Em 1985, Robert Angel aparecia com um dos jogos de tabuleiro mais populares da atualidade — além de ser também uma espécie de medida emergencial em encontros de família e em festas que não saem exatamente conforme o planejado.

Embora tenha ganhado vários outros nomes posteriormente, a ideia central do Pictionary se manteve razoavelmente a mesma: um indivíduo precisa desenhar algo, a fim de evocar nos espectadores uma palavra, frase, ação, pessoa, lugar ou animal. A fórmula acabou também ganhando diversos programas de televisão.

Os destroços do Titanic

Até 30 anos atrás, todas as tentativas de encontrar os destroços do navio Titanic haviam sido frustradas. O motivo parecia claro: até ali, os exploradores haviam utilizado apenas métodos de detecção por sonar. Entretanto, em 1985 os doutores Bob Ballard e Jean-Louis Michel lideraram uma expedição em massa que utilizaria o novíssimo Argo, um veículo não tripulado para grandes profundidades.

Em vez de um sonar, o Argo vinha equipado com uma câmera, o que tornou muito mais simples a identificação de um campo de destroços pelos pesquisadores — e acabou levando à descoberta do navio, então dividido em várias partes.

A “Pior música de todos os tempos”

Talvez isso soe estranho para quem ouviu na época, mas “We Built This City”, da banda Starship, foi mesmo considerada como “A pior música de todos os tempos”, e isso em diversas votações. Os argumentos: a música lançada em 1985 continha uma letra absolutamente estúpida. E há quem aponte também o clima “datado” e o refrão grudento... Basicamente, como quase toda a música pop dos anos 80. Um tanto injusto, na verdade.

A banda Guns N’ Roses

Embora o Guns N’ Roses de hoje seja algo como “Axl e Banda”, em 1985 a história era bem outra. Juntamente com vários outros grupos estreantes, a então Hollywood Rose ressurgia com seu novo nome em Los Angeles, Califórnia (EUA). O contrato com a gravadora Geffen Records viria no ano seguinte, levando a um dos maiores petardos do hard rock oitentista: o álbum “Appetite for Destruction”.

A chegada do NES (“Nintendinho”) ao Ocidente

É claro que o Nintendinho já andava às voltas em lares japoneses desde 1983. Entretanto, foi em 85 que a Nintendo lançou nas prateleiras dos EUA o seu novo 8 bits, iniciando uma verdadeira revolução — e resgatando do fundo do poço uma indústria que andava um tanto desacreditada. E o console ainda veio para este lado do globo com novidades, incluindo a arma Zapper e o robozinho ROB.

O filme “Marcas do Destino” (Mask)

85 também foi o ano em que a história dramática de “Rocky” Dennis chegou às películas. O filme “Marcas do Destino” mostrava a luta do garoto contra a displasia craniodiafisária, doença rara que causa deformações no rosto por conta do acúmulo de cálcio — levando à cegueira, a problemas de audição, ao comprometimento das funções cognitivas e, eventualmente, a uma morte prematura (normalmente ainda na infância).

O longa-metragem trazia Cher, Sam Elliot e Eric Stoltz, tendo sido premiado com o Oscar de Melhor Maquiagem.

A descoberta do buraco na camada de ozônio

Há 30 anos, cientistas da British Antarctic Survey anunciavam que havia um “buraco” na camada de ozônio que envolve a Terra. Na verdade, trata-se mais de um “afinamento”, mas o termo acabou pegando. De qualquer forma, os vilões foram identificados nos produtos que continham CFC (clorofluorcarboneto) — substância utilizada como propelente em diversos sprays e refrigerantes à época.

O “buraco” é um problema, naturalmente, na medida em que permite a passagem dos raios ultravioleta (UV), que são prejudiciais à saúde. Atualmente, o CFC foi proibido em utilizações comerciais, e acredita-se que em aproximadamente 50 anos a camada de ozônio possa voltar à sua espessura original.

O jogo “Onde no Mundo está Carmen San Diego?”

Eis um jogo educativo que acabou mesmo ganhando as mentes infantis nos anos 80. Lançado em 1985 pela Brøderbund, o título “Onde no Mundo está Carmen San Diego?” colocava o jogador no encalço de uma ladra de obras de arte internacional. Além de alguns princípios de investigação, o game também cobrava conhecimentos básicos de geografia. Posteriormente, foram produzidas também versões para NES, Super NES e para diversos consoles da SEGA.

O grande ano da Madonna

1985 foi um ano realmente relevante para Madonna. A estrela pop, em franca ascensão, acabou por ganhar seu primeiro papel em um filme — “Procura-se Susan Desesperadamente” —, emplacando ainda os hits “Crazy for You”, “Dress You Up” e “Into the Groove”. Ela também se casou com Sean Penn e excursionou com os Beastie Boys no mesmo ano.

A franquia de locadoras Blockbuster

Há 30 anos, a franquia de videolocadoras Blockbuster dava início a toda uma era. A primeira loja foi aberta em outubro de 1985 em Dallas, Texas (EUA). A marca acabou se expandindo rapidamente e, sem seu ápice, chegou a manter mais de 9 mil estabelecimentos pelo mundo — nos quais era possível alugar fitas VHS, DVDs e até mesmo cartuchos de video game.

Em 2010, entretanto, a franquia começou a ensaiar seu longo adeus, conforme surgiam novos sistemas de locação online e serviços afins. Já em 2014, as últimas centenas de lojas acabaram fechando suas portas e, atualmente, restam apenas algumas poucas remanescentes.

O primeiro restaurante a banir o cigarro nos EUA

Até 1985, era possível fumar em praticamente qualquer lugar nos EUA (e em grande parte do globo) — até em aviões, para isso bastando que você esperasse o aviso de permissão surgir após a decolagem. Nos restaurantes, inclusive, era muito comum encontrar setores para “fumantes” e para “não fumantes”.

Isso até um restaurante em Aspen, Colorado (EUA), resolver banir terminantemente o consumo de tabaco em suas instalações. Posteriormente, diversas campanhas acabaram por vetar o tabagismo em locais públicos — embora apenas em 2000 o fumo tenha sido proibido em voos domésticos no país.

As tirinhas de Calvin e Haroldo (Calvin and Hobbes)

Completam 30 anos em 2015 as celebres tirinhas da dupla “Calvin e Haroldo” (Carlvin and Hobbes). A criação do cartunista Bill Watterson estreou nos jornais em 18 de novembro de 2015, mantendo-se ativa e regular durante dez anos — embora o menino imaginativo e seu amigo semi-imaginário (um tigre de pelúcia) façam enorme sucesso ainda hoje em suas versões digitais internet afora.

O Windows 1.0

Em 1985 a Microsoft passou a propagandear a primeira versão do seu hoje onipresente Windows. A edição 1.0 do software trazia uma interface de usuário simples que rodava diversos aplicativos do DOS, incluindo alguns que são nativos do sistema até hoje (como o Paint, por exemplo). E 85 também foi o ano do Excel... Embora a estreia tenha sido no Mac. Aparentemente, as coisas não haviam engrenado muito bem nos PCs.

O primeiro endereço “.com”

Há 30 anos era registrado o primeiro endereço de internet “.com”. Trata-se do “Symbolics.com”, site dedicado à companhia de computadores Symbolics Inc. Outros endereços foram surgindo logo em seguida, embora, inicialmente, de forma um tanto tímida — o próprio IBM.com, por exemplo, demoraria ainda um ano para ser registrado pela companhia. Nada estranho, considerando-se que um site na internet não era algo propriamente necessário à época.

O livro “Contato” (Contact)

Em 1985, o físico Carl Sagan, tornado célebre pela série de documentários sobre astronomia Cosmos, lançava seu romance “Contato”. Na trama, uma raça alienígena superior inicia a construção de uma geringonça que pode revelar “tudo” ou “absolutamente nada”. O livro foi posteriormente adaptado para o cinema pelo diretor Rober Zemeckis e estrelado por Judie Foster.

O “Brat Pack”

O termo “Brat Pack” é atribuído à geração de atores que estrelaram praticamente todo filme sobre adolescentes após o surgimento de “The Breakfast Club”. Entre as estrelas precoces, listas-se normalmente nomes como Emilio Estevez, Anthony Michael Hall, Rob Lowe, Andrew McCarthy, Demi Moore, Judd Nelson, Molly Ringwald e Ally Sheedy.

Outros filmes estrelados no mesmo ano por membros da “Brat Pack” — embora os próprios normalmente considerem o termo como pejorativo: Brazil, The Black Cauldron, Clue, Fletch, Os Goonies, The Color Purple, Pee-wee's Big Adventure, Out of Africa, Weird Science, Witness, Ladyhawke, Return to Oz e Cocoon.

O ápice de David Lee Roth

David Lee Roth deixou o Van Halen em 1º de abril de 1985 durante o momento mais proeminente de sua carreira — que tinha como estofo mais recente o excelente álbum 1984, o qual incluía pedradas como “Jump”, “Panama” e “Hot for Teacher”. O cantor acabou, então, por emplacar diversos hits em sua carreira própria. O momento, de fato, é identificado como “Peak Roth”. Atualmente, Roth figura novamente em sua antiga banda.

O primeiro comercial sobre o teste de HIV

Em 1985 a Food and Drug Administration dos EUA licenciou o primeiro comercial sobre o teste de sangue para detecção do HIV, o vírus da AIDS. Isso levou a testes massivos por parte de diversos bancos de sangue da época — embora não tenha impedido que diversos pacientes acabassem infectados com a doença, ainda um tanto desconhecida à época.

Keira Knightley, Jack Osbourne, Lily Allen e várias outras celebridades

Naturalmente, muita gente famosa ganhou a luz em 85. Uma rápida pesquisa revela, pelo menos, os seguintes nomes:

  • Michael Phelps
  • Amanda Seyfried
  • Rooney Mara
  • Carey Mulligan
  • Jack Osbourne
  • Alison Pill
  • Cristiano Ronaldo
  • Raven-Symoné
  • Lily Allen
  • Reggie Bush
  • Colbie Caillat
  • Lana Del Rey
  • Zac Hanson (of the band Hanson)
  • Kris Humphries
  • Calvin Johnson
  • Carly Rae Jepsen
  • Anna Kendrick
  • Keira Knightley
  • Emily Kinney
  • Bruno Mars

O desenho animado Thundercats

“Thunder... thunder... Thundercats... Ooooo!”. Impossível ter vivido nos anos 80 sem ter, em algum momento, imitado o ato ostensivo de poder (embora um tanto ambíguo) do líder dos Thundercats, Lion, que conclamava seus iguais para a batalha contra o “Mau” (sempre ele). O desenho animado foi uma criação de Tobin “Ted” Wolf e sua estreia marcaria o ano de 1985.

O desenho animado She-Ra

Se havia o He-Man para os meninos, então alguém deveria encontrar uma contraparte que servisse às meninas. A solução da Mattel veio na forma do desenho animado She-Ra: A Princesa do Poder. Posteriormente, a beldade fictícia também ganharia uma linha de brinquedos, assim como aconteceu com seu irmão gêmeo.

A série McGyver

A maior parte das piadas que você ouve hoje sobre resolver tudo com “um cadarço, um chiclete mascado e um punhado de bicarbonato de sódio” provavelmente vem daí. Lançado em 1985, o seriado protagonizado pelo ator Richard Dean Anderson contava as histórias do endiabrado agente secreto Angus McGyver — espécie de Rambo com curso superior em... Praticamente qualquer coisa.

A comunidade online Well

Também neste ano completa seu terceiro decênio uma das primeiras comunidades online da História. A intitulada WELL (Whole Earth ‘Lectronic Link) foi fundada por Stewart Brand e Larry Brilliant como uma espécie de “quadro de avisos” para a internet. Trata-se, basicamente, do serviço que serviu como molde para a forma como as pessoas interagem em ambiente online até hoje.

O álbum “No Jacket Required”

Em 1985, o ex-baterista e ex-vocalista da banda de rock progressivo Genesis, Phil Collins, lançou um dos álbuns mais icônicos de sua carreira solo. As vendas de “No Jacket Required” garantiram o certificado de disco de Diamante (equivalente a dez discos de Platina), e o músico ainda abarcou três Grammies. Ainda em 85, Collins tocou diversas músicas do álbum durante o evento filantrópico Live Aid.

O primeiro CD a vender 1 milhão de unidades

Há 30 anos, a primeira edição de um álbum em CD conseguia alcançar um milhão de unidades vendidas — embora o formato estivesse disponível desde 1980. O marco veio com o clássico “Brothers in Arms”, da banda “Dire Straits”. De fato, a versão em CD acabou ultrapassando as vendas da edição em vinil. O álbum também foi um dos primeiros a contar com um processo de gravação inteiramente digital (denominado de “DDD”).

O estúdio Ghibli

Também em 1985 era fundado o estúdio de animes Ghibli. Em junho daquele ano, os diretores Hayao Miyazaki e Isao Takahata e o produtor Toshio Suzuki lançaram a pedra fundamental do ateliê de onde sairiam pérolas como “A Viagem de Chihiro”, “Meu Amigo Totoro”, “O Serviço de Entregadas da Kiki”, “O Castelo no Céu”, “Princesa Mononoke”, “O Castelo Animado” e “Ponyo”.