A maconha é uma das drogas ilícitas mais usadas no mundo. Nos Estados Unidos, 7% das pessoas com mais de 12 anos disseram ter fumado nos últimos 30 dias. No Brasil, cerca de 8 milhões de pessoas, ou 4% da população total, admitem já ter experimentado a droga, segundo estudo da Universidade Federal de São Paulo.

No entanto, uma surpresa, percebida em uma pesquisa do Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos Estados Unidos, foi que o número de adultos fumando maconha cresceu, enquanto o de adolescentes caiu cerca de 10%, desde os primeiros resultados, em 2002. Nesse período, o número de fumantes com meia-idade aumentou 50%, e no grupo de pessoas com mais de 65 anos, esse número subiu impressionantes 333%.

Uma das causas desse aumento, principalmente entre idosos, é a legalização da maconha com fins medicinais. Em alguns países e estados americanos, a planta é usada para tratar pacientes com dor crônica, problemas neurológicos ou transtorno de estresse pós-traumático.

Outro fator importante mostrado pela pesquisa é que menos pessoas percebem a maconha como prejudicial, principalmente quando estamos falando de uso casual. Também houve uma queda no número de pessoas dependentes da droga, que atualmente corresponde a 11% dos fumantes.

Os resultados sugerem que o aumento no consumo de maconha não necessariamente resulta em um crescimento no número de dependentes. Como a droga está cada vez mais fácil de ser adquirida, diferentes tipos de usos são percebidos.