Na Austrália, em 2016, um estranho surto de asma levou 10 mil pessoas aos hospitais, sendo que dois terços eram de mulheres – ao todo, 9 pessoas morreram duraram esse evento. Na infância, é mais comum que os meninos desenvolvam o problema, mas as mulheres adultas têm o dobro de chance de ser afetadas por isso do que os homens na mesma faixa etária. E a culpada por isso pode ser a testosterona...

Pesquisadores do Instituto Walter e Eliza Hall, da Austrália, relataram que o hormônio suprime a produção de células linfoides inatas, chamadas de ILC2. Essas células interagem com o pólen, os ácaros e a fumaça de cigarro, desencadeando quadros asmáticos. Com a puberdade, a produção de testosterona aumenta nos rapazes, fazendo com que eles se tornem menos suscetíveis a esse tipo de problema respiratório.

Mulheres têm o dobro de probabilidade de desenvolver a doença

Atualmente, a asma é tratada com medicamentos que podem desencadear outros sintomas colaterais. Com a nova descoberta, os cientistas poderão pensar em maneiras de bloquear a produção de ILC2 também nas mulheres, sem que elas precisem, é claro, aumentar a dosagem de testosterona.

Mas não vá pensando que a ILC2 é só uma célula vilã, não: ela desempenha um importante papel na proteção contra infecções parasitárias. Entretanto, não existem estudos ou indícios de que uma menor concentração faça com que mais homens tenham quadros infecciosos dessa natureza. Atualmente, os pesquisadores do instituto australiano estão buscando formas de quantificar isso e também maneiras de diminuir a contagem de células ILC2 nas mulheres.