Segundo a teoria da deriva continental, entre 300 e 200 milhões de anos atrás, os continentes que hoje existem na Terra formavam uma única massa continental chamada Pangeia. Devido à movimentação das placas tectônicas que compõem a crosta terrestre, o supercontinente acabou se rompendo e dando origem a dois continentes conhecidos como Gondwana e Laurásia.

Pangeia Pangeia (Wikimedia Commons/Domínio Público)

Então, essas duas grandes massas de terra se fragmentaram também, criando, por fim, os continentes que conhecemos hoje. Aliás, se você observar com atenção as margens deles, inclusive é possível identificar como eles ficavam “encaixados” antes da ruptura — como é o caso da América do Sul e o oeste da África. Porém, e se a fragmentação jamais tivesse ocorrido, será que as coisas seriam muito diferentes no nosso planeta?

Continentão

De acordo com Adam Hadhazy, do site Live Science, além do fato (óbvio) de todo mundo viver em um único — e imenso — continente, a verdade é que as coisas seriam bem diferentes aqui na Terra sim. Segundo explicou, para começar, por conta do movimento de rotação da Terra, essa gigantesca massa continental acabaria se afastando dos polos e se concentrando na região central do globo, na altura do equador. E, como você sabe, essa é a faixa mais cálida do nosso mundo.

PangeiaQuebra-cabeça (Mental_Floss)

Com isso, o interior do continente seria quente e árido e, consequentemente, a maior variedade de plantas e animais se concentraria mais próximo do litoral. Além disso, haveria uma biodiversidade muito menor, uma vez que o isolamento geográfico é o principal “motivador” do desenvolvimento de novas espécies a partir das que já existem.

Afinal, a evolução acontece devido à seleção natural e esse processo acontece quando as espécies são submetidas às pressões do ambiente. Veja, por exemplo, o caso de Madagascar, a enorme ilha que fica no litoral sudeste da África — e que, juntamente com a Índia, fazia parte de Gondwana até se separar há cerca milhões de anos. Nove de cada dez espécies de mamíferos e plantas que povoam a ilha são endêmicas de lá, o que significa que esse é o único lugar no mundo onde elas existem.

Caso o nosso planeta contasse com apenas um continente, as possibilidades de evolução seriam bem mais limitadas. Outro aspecto curioso é que, como o supercontinente seria mais quente e árido, especialmente no interior, as espécies melhor adaptadas para viver nele seriam os répteis. Então, quem sabe em um mundo assim eles não voltassem a reinar sobre a Terra, como fizeram os dinossauros no passado — que, por sinal, começaram a surgir no planeta antes de Pangeia se fragmentar.